Site ligado à Al-Qaeda apóia John McCain para presidente

Republicano é a 'melhor escolha' por querer continuar com as guerras do Iraque e Afeganistão, diz mensagem

Associated Press,

22 de outubro de 2008 | 18h32

Apoiadores da Al-Qaeda escreveram em um site ligado ao grupo fundamentalista nesta semana que o candidato republicano à Casa Branca, John McCain, seria a melhor escolha para o cargo. A mensagem, postada em uma página protegida por senha, dizia que se a Al-Qaeda pretende desgastar os Estados Unidos de forma militar e econômica, o "impetuoso" candidato republicano é a melhor escolha, por querer continuar com as guerras do Iraque e Afeganistão.   Veja também: McCain segue para Estados democratas; Obama mira na Virgínia Obama abre vantagem de dois dígitos sobre McCain Confira os números das pesquisas nos Estados  Obama x McCain  Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA   "Isso requerer a presença de um líder americano impetuoso como McCain, que prometeu continuar com a guerra até o último soldado americano", afirma a nota. "Então, a Al-Qaeda terá que apoiar McCain nas próximas eleições, para ele seguir na marcha falida de seu predecessor, Bush."   O SITE Intelligence Group, de Maryland, monitorou a página e traduziu a mensagem. "Se a Al-Qaeda realizar uma grande operação contra os interesses americanos, isso apoiará McCain, porque irá incentivar os americanos a votarem deliberadamente no republicano para ele se vingar contra o grupo", continua a nota.   Mark Salter, alto conselheiro de McCain, disse que ouviu falar sobre o site, mas não fez nenhum comentário. A mensagem é creditada a um contribuidor da página identificado como Muhammad Haafid. Segundo o SITE, no entanto, não acredita-se que Haafid tenha uma afiliação direta ao grupo extremista ou conheça suas operações.   Em 2004, quatro dias antes das eleições presidenciais a Al-Qaeda divulgou uma mensagem de Osama bin Laden adereçado diretamente à população americana.

Tudo o que sabemos sobre:
John McCaineleições nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.