Foto: Noah Berger / AP
Foto: Noah Berger / AP

Sobe para 31 o número de mortos em incêndios na Califórnia

Há ainda, pelo menos, 100 pessoas desaparecidas por causa das chamas que se alastraram por uma área de mais de 400 quilômetros quadrados

O Estado de S.Paulo

11 Novembro 2018 | 02h14
Atualizado 12 Novembro 2018 | 05h40

Os incêndios que atingiram o estado da Califórnia, nos Estados Unidos, causaram mais mortes, de acordo com atualização divulgada na madrugada desta segunda-feira, 12, pelas autoridades norte-americanas.  Durante resgate nos arredores de Paradise,  cidade de cerca de 26 mil habitantes e a mais afetada pelas chamas, as mortes subiram para 31, considerando 29 na região norte da Califórnia e mais duas, na região sul. A tragédia deixou, até agora, mais de 100 pessoas desaparecidas. 

O novo incêndio na Califórnia começou na primeira hora da madrugada de quinta-feira, 8. As chamas se propagaram rapidamente por causa da forte seca que a região enfrenta e com a ajuda dos fortes ventos. A área tomada pelas chamas chegou a mais de 400 quilômetros quadrados e quase 7 mil estruturas (residências e edificações) se incendiaram. A movimentação da população foi grande em torno dos incêndios. Segundo as autoridades, pelo menos 300 mil pessoas deixaram suas casas. 

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, fez um apelo para que as pessoas sigam as ordens de evacuação das autoridades locais. "Os incêndios na Califórnia estão se espalhando muito rapidamente. Se as pessoas não evacuarem o local rapidamente, correm o risco de serem atingidas pelo incêndio. Por favor, ouçam as ordens de evacuação das autoridades estaduais e locais", escreveu o presidente norte-americano, em sua conta no Twitter. 

No início da noite, Trump afirmou que o número de pessoas que tiveram de deixar suas casas devido aos incêndios na Califórnia, somando sul e norte do estado, chegou a 52 mil. Pelo Twitter, ele disse que mais de 4 mil bombeiros trabalham para conter as chamas.

No sábado, o presidente norte-americano culpou o governo da Califórnia pela "má administração das florestas" que, segundo ele, provocou os devastadores incêndios do estado. E, neste domingo, voltou a falar sobre o assunto. "Com uma apropriada gestão florestal, nós podemos parar a devastação constante que avança na Califórnia. Fiquem espertos!" 

Incêndios recentes na Califórnia

Os incêndios de grandes proporções na Califórnia são cada vez mais frequentes e violentos. De acordo com registros oficiais, quatro dos cinco mais destrutivos da história do Estado ocorreram nos últimos seis anos. Em setembro, os bombeiros controlaram o incêndio Mendocino Complex, que começou em julho e foi considerado o maior da história da Califórnia. / Reuters/ AP/ EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.