Sobe vantagem de Obama na véspera do último debate

Segundo pesquisa da Zogby, democrata aparece com 49% da preferência do eleitorado contra 43% de McCain

Reuters,

14 de outubro de 2008 | 08h00

O democrata Barack Obama abriu vantagem de 6 pontos percentuais sobre o republicano John McCain, um dia antes dos aspirantes à Casa Branca se encontrarem no último debate, que acontece na quarta-feira, segundo pesquisa Reuters/C-SPAN/Zogby divulgada nesta terça, 14. Obama tem 49% da preferência dos prováveis eleitores, contra 43% de McCain.   Veja também: Obama x McCain  Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA   A vantagem de Obama cresceu em relação aos 4 pontos percentuais de frente que tinha na véspera. A margem de erro é de 2,9 pontos percentuais e o levantamento foi feito junto a 1.208 pessoas. "Claramente foi outro dia ruim para John McCain", disse o especialista em pesquisas John Zogby. "Faltando três semanas, é seguro dizer que ele não tem muito tempo para virar esse jogo."   Obama abriu uma grande vantagem de 17 pontos entre os independentes e manteve uma sólida frente de 11 pontos percentuais entre as mulheres. Esses são dois grupos cruciais do eleitorado norte-americano para as eleições de 4 de novembro. Obama também tem uma pequena vantagem entre os homens, aumentou sua liderança entre os católicos e os hispânicos e está à frente de McCain em todos os grupos etários, inclusive entre os que têm mais de 65 anos, parcela que era um dos principais grupos de apoio do republicano.   McCain, 72, tem 11 pontos de vantagem entre os brancos e uma pequena vantagem entre trabalhadores de alta renda. "McCain está perdendo terreno em grupos que deveriam estar em seu bolso e nos quais ele deveria ser competitivo", disse Zogby.   A pesquisa, realizada entre sexta e segunda-feira, mostrou o independente Ralph Nader com 2% de apoio. O libertário Bob Barr e a candidata do Partido Verde, Cynthia McKinney, ficaram com 1%das intenções de voto. Quatro por cento do eleitorado declarou-se indeciso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.