'Sobrevivência' de Hillary satisfaz campanha de McCain

'Sigam seu tempo, não tenham pressa', diz assessor do virtual candidato do Partido Republicano

Reuters,

23 de abril de 2008 | 09h15

A campanha do candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, John McCain, não esconde sua satisfação com o prolongamento da disputa democrata entre Barack Obama e Hillary Clinton, garantido pela vitória dela na primária de terça-feira na Pensilvânia.  Hillary insiste em continuar duelo contra Obama por nomeação'A maré está mudando', diz Hillary após vitória Hillary vence Obama e se mantém na disputaConfira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA O professor Sean Purdy comenta as primárias democratas  A corrida pela indicação democrata à Casa Branca deve agora durar pelo menos mais duas semanas, até 6 de maio, quando há primárias na Carolina do Norte e em Indiana. "Sigam seu tempo, não tenham pressa", ironizou Mark Salter, importante assessor de McCain. Os estrategistas republicanos acreditam que seu candidato se beneficiou do fato de ter liquidado a sua disputa interna já em março, o que lhe deu tempo para arrecadar doações e lançar as bases para a eleição geral de novembro, embora o processo seletivo democrata gere mais manchetes. Por causa da disputa entre Obama e Hillary, os democratas ainda não testaram suas armas contra McCain, um senador de 71 anos que tenta manter a Casa Branca sob controle republicano pelo terceiro mandato consecutivo - uma tarefa complicada diante do cenário econômico sombrio nos EUA. "Durante este período, os grupos de interesse democratas não foram capazes de focar em McCain", disse o estrategista republicano Scott Reed. "Eles ainda estão focados na sua luta interna." O próprio McCain parecia incerto sobre à conveniência da longa disputa democrata, mas falando a jornalistas na terça-feira deixou claro que está atento. "Na verdade, vi um desses programas da TV a cabo ontem à noite -- não sei por que assisto! -- que dizia que isso é realmente bom para o Partido Democrata, que eles estão registrando mais eleitores, que estão atraindo mais interesse, que estão arrecadando mais dinheiro. Não tenho uma opinião a respeito. Mas sei que há opiniões muito diferentes sobre isso." Os balanços recentes das campanhas indicam que McCain arrecada menos que ambos os democratas. O senador se disse "absolutamente neutro" na disputa democrata. "Nunca declarei que eu quisesse que essa eleição (interna) se prolongasse ou não. Isso cabe aos eleitores do Partido Democrata, e não tenho nada a ver com isso." Assessores do candidato preparam planos para enfrentar qualquer um dos democratas. Um deles, Charlie Black, disse ter examinado ambos e concluído que tanto Obama quanto Hillary serão um páreo duro. "Não considero um mais fácil do que outro", disse Black.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições nos EUAJohn McCain

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.