Superdelegado deixa de apoiar Hillary e endossa Obama

Presidente do Comitê Democrata pede apoio ao senador para que disputa não prejudique o partido

Agência Estado e Associated Press,

01 de maio de 2008 | 13h58

Um alto funcionário democrata que inicialmente apoiava Hillary Clinton passou a endossar Barack Obama, num duro golpe para a ex-primeira-dama em seus esforços para conseguir uma margem de vantagem suficiente entre os superdelegados que quase seguramente vão decidir a disputa pela nomeação presidencial do partido.   Veja também: Obama diz que teve infância menos privilegiada que rivais Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    Obama reduziu à metade a vantagem de Hillary entre os cruciais superdelegados nos dois últimos meses e agora conquistou o apoio de Joe Andrew, presidente do Comitê Nacional Democrata de 1999 até 2001 sob o presidente Bill Clinton. Andrew deu uma entrevista à imprensa em Indianápolis na qual exortou seus correligionários de Indiana a votarem em Obama nas primárias. "Estou convencido de que o processo primário se desenvolveu a tal ponto que agora é prejudicial para o Partido Democrata", disse anteriormente à Associated Press. Ele acrescentou que passou a apoiar Obama porque "um voto em Hillary Clinton é um voto para prolongar este processo que ajuda a John McCain", o virtual candidato republicano.   Embora Obama tenha uma sólida vantagem em delegados eleitos, nem ele nem Hillary conseguiram acumular os 2.025 delegados necessários para assegurar a nomeação sem o apoio dos superdelegados - altos funcionários e legisladores que podem votar como quiserem na Convenção Nacional.   Andrew, ao anunciar sua troca de alianças, pediu que outros democratas se somem a ele no apoio a Obama "para superar a divisão em nosso partido". Ele disse ainda em uma carta aos superdelegados que se decepcionou com o sistema de primárias.   Obama conseguiu o novo apoio num momento em que ele e Hillary disputam os superdelegados e os votos dos trabalhadores brancos para as primárias da próxima terça-feira em Indiana e Carolina do Norte, dois Estados nos quais o senador de Illinois precisa ganhar para contrabalançar o avanço conseguido por Hillary com sua vitória da semana passada na Pensilvânia.   A decisão de Andrew coloca Obama perto da liderança de Hillary em superdelegados. Ela tinha uma grande vantagem entre os superdelegados, muitos dos quais, como Andrews, têm laços com os Clinton e apoiavam inicialmente a candidatura da ex-primeira-dama. Mas a maioria dos superdelegados que está se posicionando agora tem declarado seu apoio a Obama, que venceu mais disputas em Estados.   Superdelegados são especialmente valiosos nesta disputa uma vez que nem Hillary nem Obama conseguiram os delegados suficientes para garantir a nomeação as eleições Estado por Estado. Obama tem 1.732,5 delegados, contra 1.597,5 delegados para Hillary.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.