Frank Becerra Jr./The Journal News via AP
Frank Becerra Jr./The Journal News via AP

Tempestade de neve atinge leste dos EUA, promove caos em NY e deixa 8 mortos

Forte nevasca causou milhares de acidentes de trânsito, cancelamentos de voos e deixou parte da população sem energia em alguns estados da região

O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2018 | 09h08

Uma forte tempestade de neve que ronda a região leste dos Estados Unidos há alguns dias deixou, por enquanto, 8 mortos em alguns estados norte-americanos, promovendo um verdadeiro caos, com milhares de voos atrasados e cancelados nos aeroportos e acidentes de trânsito registrados. A precipitação foi tão intensa que até energia elétrica faltou para, pelo menos, 200 mil pessoas, em quatro estados, segundo o site Poweroutage.

A forte nevasca, que começou na região Centro-Oeste e, nos últimos dois dias, atingiu em cheio a Costa Leste dos EUA, complicou a direção nas ruas e estradas, sendo a causa principal das mortes. 

De acordo com a emissora CNN, uma mulher de 60 anos morreu na última quinta-feira em Miami County, no estado de Indiana, depois de perder o controle do veículo por causa da pista lisa e escorregadia. 

No Mississippi, um ônibus de turismo sofreu um acidente na quarta-feira, matando duas pessoas e ferindo várias outras. A causa do acidente foi relacionada ao clima.

A Polícia Rodoviária do Arkansas relatou dois incidentes separados em que três pessoas foram mortas após perderam o controle de seus carros nas estradas congeladas. O total de oito mortes se completa, com mais dois registros, em Ohio e, em Maryland. 

​Pesadelo em NY e NJ

O pânico por causa da neve acumulada foi traduzido pela espera angustiada de motoristas, que ficaram presos na Ponte George Washington, que liga a parte alta da ilha de Manhattan e o norte de Nova Jersey, cidade vizinha de Nova York. A Polícia Estadual de Nova Jersey respondeu a 555 acidentes automotivos e ajudou mais de mil motoristas, segundo as autoridades.

"Se você não tem que sair, por favor, fique em casa para que as equipes possam cuidar das estradas", dizia um comunicado da polícia. "Se você tiver que sair, por favor, dirija devagar e permita mais tempo para chegar onde você está indo."

A Newark Liberty International foi a companhia mais afetada, com mais de 470 cancelamentos e 340 atrasos nos voos. No aeroporto de Newark, um dos mais frequentados da região, era possível ver filas nos terminais, com pessoas esperando pelas definições de seus voos e reajustes de horários. 

Em Nova York, o clima forçou longas esperas, também, no Terminal Rodoviário de Port Authority, em Manhattan. O local, que fica perto do fervo da Times Square, estava lotado de passageiros frustrados. As viagens de ônibus pela cidade podiam duravam até quatro horas por causa do trânsito e pela visibilidade prejudicada das ruas.

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, disse que a força da tempestade de neve pegou a cidade de surpresa e que não deveria ter o impacto que teve.

O governador de Nova Jersey, Phil Murphy, disse que a tempestade foi um "pesadelo regional". No Twitter, ele se responsabilizou pelo caos instaurado e por não ter previsto a nevasca com as agências meteorológicas. 

"Estamos conduzindo uma análise completa da preparação e resposta à tempestade de ontem. Analisaremos como nos coordenamos com as agências estaduais e comunidades locais, como nos preparamos para as previsões meteorológicas, que mudam rapidamente e, o mais importante de tudo, como mantemos os moradores de Nova Jersey seguros", disse o governador. / AP/ EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.