Tentando reunificar partido, Hillary reforça apoio a Obama

'Se você votou em mim ou em Barack, agora é tempo de nos unirmos como um partido único', diz senadora

Da Redação, com agências internacionais,

27 de agosto de 2008 | 00h10

A senadora Hillary Clinton subiu ao palco da Convenção Democrata, em Denver, na noite desta terça-feira, 26, pedindo que seus milhões de eleitores apóiem o candidato democrata Barack Obama na disputa pela Casa Branca. "Estou aqui como uma orgulhosa apoiadora de Barack Obama. Se você votou em mim ou em Barack, agora é tempo de nos unirmos como um partido único, com um só propósito. Estamos no mesmo time. Ninguém pode ficar de fora", declarou Hillary. Seu discurso era o mais esperado da segunda noite da Convenção.   Veja também: Nova propaganda de McCain usa elogios de Hillary Galeria de fotos da Convenção  Obama x McCain Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA   Foto: AP   A ex-primeira-dama tenta convencer seus partidários - que ainda parecem frustrados com a derrota da senadora na disputa pela indicação presidencial democrata - a apoiarem Obama. A mensagem central da Convenção têm sido a união, enquanto muitos delegados que apóiam Hillary se recusam a endossar a candidatura do senador por Illinois.   "Não estamos em um momento onde é possível perder votos". "De jeito nenhum. Não há como. Não a McCain. Barack Obama é meu candidato e ele deve ser o nosso presidente", continuo a senadora, ovacionada pela público, que cobria o auditório da convenção de cartazes com seu nome. "John McCain é meu colega, mas não precisamos de mais quatro anos como os últimos oito."   Agradecendo seus eleitores pelos milhões de votos recebidos durante as prévias, ela afirmou que depois de oito anos "de uma liderança fracassada", este é o momento de "recuperar o país que amamos". Em meio ao público estava seu marido, o ex-presidente Bill Clinton, e a mulher de Obama, Michelle, que aplaudiram fortemente o pronunciamento da senadora.   Hillary lembrou sua luta pelos direitos da mulher e por um sistema de saúde melhor para os americanos e acrescentou: "o destino de nossa nação e o futuro de nossas crianças estarão em jogo em 4 de novembro", data das eleições americanas.   Apoio latino   As delegadas latinas que participam da Convenção não escondem a admiração e a gratidão que têm por Hillary e, embora votarão em Obama, não querem que a ex-primeira-dama deixe a cidade sem um reconhecimento público. Na reunião desta terça-feira, o Caucus das Mulheres em Denver deixou clara a grande influência que a senadora tem junto às eleitoras.   Elas demonstraram sua insatisfação não só pelo tratamento que Hillary recebeu nas primárias, mas também pelo fato de Obama não a ter escolhido como vice-presidente em sua chapa, o que, para as delegadas, foi a "gota d'água."   Entre as delegadas democratas que acompanham a convenção em Denver, as latinas são as que demonstram ter maior admiração por Hillary e Bill Clinton, considerados seu casal Kennedy, disse nesta terça Lenora Sorola-Pohlman, vice-presidente do partido no Texas.   "Os Clinton sempre trabalharam pelos latinos. Eles começaram sua carreira política em um comício no Texas. Foi lá onde eles se conheceram e se apaixonaram", lembra Lenora, de origem mexicana. "Sempre que nós, latinos, precisamos de algo, Bill e Hillary estiveram lá para nos ajudar. Por isso, os hispânicos os vêem como nosso casal Kennedy, como Jacqueline e John", explica.   O escritório de campanha de Obama aceitou que o nome de Hillary, a segunda colocada nas primárias, seja submetido a uma primeira votação na convenção, que deverá ter um grande apoio de Estados como Nova York, Texas e Kentuck. Em uma segunda votação, que será a definitiva, Obama sairá eleito como candidato oficial do Partido Democrata à Casa Branca.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.