Mandel Ngan/Reuters
Mandel Ngan/Reuters

The Economist: O legado de Trump - a vergonha e a oportunidade

A invasão do Capitólio e a vitória dos democratas na Geórgia mudarão o curso do mandato de Biden

The Economist, O Estado de S.Paulo

07 de janeiro de 2021 | 15h00

Quatro anos atrás, Donald Trump estava em frente ao edifício do Capitólio para tomar posse e prometeu acabar com a “carnificina americana”. Seu mandato está terminando com um presidente em exercício incentivando uma multidão a marchar e invadir o Congresso - e então elogiando o movimento depois que ele recorreu à violência. Não tenha dúvidas de que Trump é o autor deste ataque letal ao coração da democracia americana. Suas mentiras alimentaram a situação danosa, seu desrespeito pela constituição concentrou-se no Congresso e sua demagogia acionou o detonador. Fotos da multidão invadindo o Capitólio, transmitidas alegremente em Moscou e Pequim, assim como foram lamentadas em Berlim e Paris, são as imagens definidoras da presidência não americana de Trump.

A violência no Capitólio fingiu ser uma demonstração de poder. Na verdade, ela mascava duas derrotas. Enquanto os apoiadores de Trump invadiam e entravam à força, o Congresso estava certificando os resultados da perda incontroversa do presidente em novembro. Ao mesmo tempo que a multidão quebrava janelas, os democratas comemoravam vitórias improváveis na Geórgia que lhes darão o controle do Senado. As ofensas da multidão repercutirão no Partido Republicano quando ele estiver na oposição. E isso terá consequências para o mandato de Joe Biden, que começa no dia 20 de janeiro.

Observe com distância o absurdo sobre eleições roubadas e a escala do fracasso dos republicanos no governo Trump se torna clara. Tendo vencido a Casa Branca e mantido a maioria no Congresso em 2016, a derrota na Geórgia significa que o partido perdeu tudo apenas quatro anos depois. A última vez que isso aconteceu com os republicanos foi em 1892, quando a notícia da humilhação de Benjamin Harrison correu por telégrafo.

Normalmente, quando um partido político sofre um revés em tal escala, ele aprende algumas lições e volta mais forte. Isso é o que os republicanos fizeram após a derrota de Barry Goldwater em 1964, e os democratas após a derrota de Walter Mondale em 1984.

A reinvenção será mais difícil desta vez. Mesmo na derrota, o índice de aprovação de Trump entre os republicanos oscilou em torno de 90% - muito melhor do que os 65% de George W. Bush no último mês de seu mandato. Trump tem explorado essa popularidade para criar o mito de que ele ganhou a eleição presidencial. A pesquisa da YouGov para a The Economist revela que 64% dos eleitores republicanos acham que a vitória de Biden deveria ser impedida pelo Congresso.

Talvez 70% dos republicanos na Câmara e um quarto do Senado tenham sido convenientes com sua conspiração ao prometer tentar exatamente isso - para sua vergonha, muitos deles persistiram mesmo após a invasão do Congresso. Como uma manobra antidemocrática, não tinha precedentes na era moderna (nem qualquer chance de sucesso). E, no entanto, também é um sinal do domínio maligno de Trump. Depois de ver como ele encerrou a carreira de partidários como Jeff Sessions e elegeu a outros quase sozinho, como o governador da Flórida, Ron DeSantis, aqueles que enfrentam as primárias continuam com medo de provocá-lo.

O mito eleitoral que Trump criou pode, portanto, ter quebrado o ciclo de feedback necessário para que o partido mude. Abandonar um líder falido e uma estratégia falida é uma coisa. Abandonar alguém que você e a maioria de seus amigos acham que é o presidente por direito, e cujo poder foi tirado em uma fraude gigantesca por seus inimigos políticos, é algo totalmente diferente.

Se algo de bom vier da revolta desta semana, será que essa forma de pensar perde parte de seu poder. A visão de um apoiador de Trump sentado na cadeira do presidente da Câmara deveria horrorizar os eleitores republicanos que gostam de pensar que seu partido é da ordem e da constituição. Ouvir Trump incentivando motins no Capitólio pode persuadir partes do meio dos EUA a virar as costas para ele para sempre.

Para Biden, muito depende se os republicanos céticos de Trump no Senado compartilham dessas conclusões. Isso porque as vitórias de Jon Ossoff e Raphael Warnock, o primeiro afro-americano democrata a ser eleito para o Senado pelo sul, abriram repentinamente a possibilidade de que o governo de Washington, DC, seja menos atormentado pela obstrução republicana e manobras trumpianas.

Uma semana atrás, quando a visão convencional era de que o Senado permaneceria sob controle republicano, parecia que as ambições da administração de Biden seriam limitadas ao que ele poderia realizar por meio de ordens executivas e nomeações para agências reguladoras. Uma divisão de 50/50 no Senado, com a vice-presidente, Kamala Harris, dando o voto de desempate, é a maioria limitada possível. Isso não permitirá milagrosamente que Biden efetue as reformas abrangentes que muitos democratas gostariam, mas fará a diferença.

Por exemplo, Biden poderá obter a confirmação de suas escolhas para o judiciário e para seu gabinete. O controle da agenda legislativa no Senado passará dos republicanos para os democratas. Mitch McConnell, o líder da maioria de saída do Senado que falou veementemente esta semana contra o vandalismo institucional de Trump, era um mestre em bloquear votos que poderiam dividir seu caucus. Isso criou um impasse em Washington que os eleitores geralmente atribuem ao partido do presidente.

Os democratas também podem conseguir aprovar algumas medidas no Senado por meio de reconciliação, uma peculiaridade processual que permite que os projetos orçamentários sejam aprovados com a maioria de um ou mais votos, em vez dos 60 necessários para evitar uma obstrução, que permanecerá, por mais que ala esquerda do partido queira acabar com isso.

Onde os republicanos entram é no escopo de votos entre os partidos. Quanto mais eles acham que a América Central ficou horrorizada com o motim, mais provável é que alguns deles rejeitem o niilismo de impedir tudo por causa disso. Quanto mais seu caucus estiver em guerra consigo mesmo, mais livres eles estarão para fazer sua parte para restaurar a fé na república realizando algo.

Para os republicanos, o custo do maldito acordo que seu partido fez com Trump nunca foi tão claro. Os resultados de novembro forneceram sinais de que um partido reformado poderia ganhar as eleições nacionais novamente. Os eleitores americanos continuam desconfiados do "grande governo" e não conferiram a um partido mais do que dois mandatos consecutivos na Casa Branca desde 1992. Mas para se tornarem bem-sucedidos e, mais importante, para fortalecer a democracia dos EUA novamente, em vez de representar uma ameaça para ela, eles precisam expulsar Trump. Pois, além de ser um perdedor de proporções históricas, ele se mostrou disposto a incitar a carnificina no Capitólio. / TRADUÇÃO DE ROMINA CÁCIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.