White House via EFE
White House via EFE

Trump cogitou trocar procurador-geral por resultados eleitorais

No começo de janeiro, o então presidente dos Estados Unidos cogitava alçar o advogado Jeffrey Clark ao posto de procurador-geral

The Washington Post, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2021 | 17h39

WASHINGTON - No início de janeiro, o então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, cogitou substituir o procurador-geral por outro advogado do departamento de Justiça mais disposto a colaborar com as investigações de suas acusações infundadas de fraude eleitoral, a ponto de quase abrir uma crise na instituição federal, afirmaram fontes ligadas ao caso.

O plano, se tivesse sido colocado em prática, teria tirado Jeffrey Rosen do posto de procurador-geral e colocado em seu lugar Jeffrey Clark. Trump já havia indicado o advogado à coordenação da divisão de Meio Ambiente e Recursos Naturais do departamento de Justiça do país.. Mais tarde, ele viria a comandar a divisão Civil.

Clark, então, poderia ter sido conduzido à chefia do departamento para ajudar a manter Trump no poder. Mas o presidente foi dissuadido após encontros com envolvidos nesta mudança.

O plano foi revelado pelo jornal The New York Times. Analistas legais disseram que a mudança seria um ataque desastroso à independência do departamento de Justiça. “Antes da investida rebelde contra o governo, houve uma tentativa de golpe no departamento de Justiça - fomentado pelo presidente dos Estados Unidos”, afirmou David Laufman, um ex-oficial do departamento, em seu perfil no Twitter.

Um porta-voz do departamento de Justiça se recusou a comentar o caso, assim como Rosen. Em nota, Clark afirmou: “Nego que eu tenha planejado ‘um plano para expulsar’ Jeff Rosen. Tampouco formulei recomendações para uma ação baseada em imprecisões captadas na internet”.

“Não existiu ‘manobra’.  O que houve foi uma sincera discussão de opções e de prós e contras com o presidente. É infeliz que aqueles que fizeram parte de uma conversa legal privilegiada venham a comentar publicamente as deliberações internas e ainda distorcer quaisquer discussões”, continuou em seu texto.

Um conselheiro de Trump, ao ser questionado sobre a reportagem, disse: “O presidente Trump argumentou frequentemente que o nosso sistema de justiça deveria estar investigando a maior e mais rampante fraude eleitoral que já atingiu o nosso sistema em anos. Qualquer afirmação contrária é falsa e espalhada por aqueles que desejam manter o sistema violado”.

Para Entender

Biden venceu nos EUA. O que muda no mundo? Análises exclusivas respondem

Decisões do presidente dos EUA sobre economia, política externa, imigração, meio ambiente e mesmo comportamento afetam a sua vida. Banco de análises traz projeções de quem mais entende sobre os efeitos do futuro governo Biden

Ao longo de seus quatro anos na presidência, Trump insistiu em fazer com que o departamento de Justiça tomasse ações em benefício a ele próprio e seus amigos, mas as tentativas de seus últimos dias no comando ameaçaram ser particularmente danosas. Até o ex-procurador-geral William Barr - que foi um dos secretários mais fiéis e efetivos de seu gabinete - rompeu publicamente com o presidente após as acusações de fraude de votos, declarando que os investigadores não encontraram evidências substanciais de condutas ilegais que poderiam ter prejudicado o resultado da eleição.

Clark, segundo as fontes, de alguma maneira se ligou a Trump e passou a concordar com a possibilidade de fraude. Então, Clark passou a pressionar Rosen e outros a investirem nas acusações - como agendar uma coletiva de imprensa para anunciar que eles estavam investigando acusações sérias. Rosen, então, foi informado de que Clark o substituiria, e ele então procurou agendar uma reunião com Trump. É teoricamente possível que, caso Clark assumisse a procuradoria-geral, ele tentaria questionar de alguma forma os resultados.

Na reunião compareceram Trump, Clark e Rosen, além de Richard Donoghue, então procurador-geral adjunto; Steven A. Engel, chefe do Conselho Legal do departamento de Justiça; e Pat Cipollone, conselheiro da Casa Branca. Esses três últimos eram contrários à ideia de substituir Rosen e alertaram para uma resignação em massa. Trump, no fim, manteve Rosen no cargo e os resultados da eleição foram certificados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.