Leah Millis/Reuters
Leah Millis/Reuters

Trump se protegeu em bunker na Casa Branca durante protesto

Segundo a CNN, o presidente norte-americano foi levado ao bunker enquanto manifestantes participavam de protesto em frente à residência oficial

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2020 | 02h47

WASHINGTON - O Serviço Secreto, encarregado da segurança do presidente dos EUA, protegeu Donald Trump no bunker subterrâneo da Casa Branca na última sexta-feira, 29, por causa de protestos que aconteciam fora da residência oficial do preseidente americano, segundo informou a mídia local nesta segunda-feira, 1. 

O New York Times indicou que o presidente foi levado ao bunker na noite de sexta-feira, enquanto manifestantes lutavam com agentes do Serviço Secreto para remover as barreiras de metal instaladas em frente à residência presidencial. Segundo a CNN, Trump estava no bunker cerca de uma hora antes de retornar ao setor da Casa Branca que serve como sua residência, enquanto do lado de fora os manifestantes jogavam pedras e brigavam com os agentes. 

Nenhuma mídia esclareceu se a primeira-dama, Melania Trump, e seu filho Barron também foram levados para o bunker. O presidente criticou a prefeita democrata de Washington, DC Muriel Browser  em um tuíte no domingo de manhã após o protesto, acusando-a de não permitir que a polícia de DC ajudasse agentes do Serviço Secreto. 

Acontece que, após esses incidentes, Trump elogiou em sua conta do Twitter o "ótimo trabalho" do Serviço Secreto na noite anterior na frente de manifestantes "totalmente profissionais". "Eu estava dentro (da Casa Branca), observei todos os movimentos e não poderia me sentir mais seguro", acrescentou. Trump também criticou duramente  a prefeita da capital, Muriel Browser, quem ele disse "não permitir que a polícia de DC se envolva (no controle dos protestos). 'Não é o trabalho dela'. Bom!", disse o governante em seu tweet. 

"Enquanto ele se esconde atrás da cerca, com medo/sozinho, estou com as pessoas que exercitam pacificamente a Primeira Emenda (o direito à liberdade de expressão) logo após o assassinato de #GeorgeFloyd e centenas de anos de racismo institucional", respondeu o prefeito. George Floyd é o afro-americano morto na segunda-feira passada em Minneapolis, Minnesota, pela polícia, um incidente que gerou protestos violentos em diversas cidades dos Estados Unidos. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.