REUTERS/Mike Segar
REUTERS/Mike Segar

Trump seria um 'perigo' para o mundo, diz ONU

Chefe de Direitos Humanos da organização diz que vitória do candidato republicano nas eleições americanas seria 'perturbadora'

Jamil Chade, correspondente / Genebra, O Estado de S. Paulo

12 de outubro de 2016 | 10h11

GENEBRA - O republicano Donald Trump será um "perigo" para o mundo se for eleito presidente dos EUA e suas propostas representam "violações aos direitos humanos dos mais vulneráveis". O alerta foi feito por Zeid Al-Hussein, alto comissário da ONU para Direitos Humanos, em uma declaração que rompe um tabu na organização de evitar a qualquer custo comentários sobre os candidatos à Casa Branca.

Em um encontro com jornalistas internacionais, porém, Zeid optou por tecer duros comentários contra Trump. Questionado pela reportagem do Estado, ele deixou claro que sua vitória seria "perturbadora". 

Na avaliação de Zeid, o candidato republicano seria "perigoso do ponto de vista internacional". "Seus comentários são profundamente preocupantes", disse. As principais críticas do jordaniano se referem às propostas do candidato quanto a temas como tortura, imigrantes e a minorias.

Há duas semanas, Zeid havia colocado Trump em uma lista de políticos que ele indicou como "populistas e demogogos". Agora, vai além e alerta que o americano estaria usando "manipulação" para "contar meias verdades". 

As declarações de Zeid foram recebidas com surpresa internamente na ONU e entre as grandes potências. O governo russo alertou que o alto comissário não deveria criticar chefes de Estado ou de governo. Mas o jordaniano insistiu: "Se Trump for eleito, na base do que ele tem dito, acho que não temos dúvidas de que ele representaria um perigo".

Tudo o que sabemos sobre:
Donald TrumpONUDireitos Humanos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.