CJ Gunther/EFE
CJ Gunther/EFE

Trump zomba de senadora que anunciou candidatura presidencial para 2020

Presidente dos Estados Unidos mencionou polêmica racial na qual a democrata Elizabeth Warren está envolvida

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de fevereiro de 2019 | 05h00

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, zombou da senadora democrata Elizabeth Warren, que anunciou no sábado, 9, sua candidatura para as próximas eleições presidenciais no país em 2020. "Hoje, Elizabeth Warren, a quem costumo me referir como Pocahontas, se uniu à corrida para presidente. Vai concorrer como a nossa primeira candidata presidencial nativa americana", escreveu Trump na sua conta do Twitter."Nos vemos na campanha, Liz!", acrescentou.

O anúncio de Elizabeth chegou no momento em que sua popularidade está baixa, devido a uma polêmica sobre sua ascendência indígena. Em outubro, a senadora publicou os resultados do exame de DNA para demonstrar que provavelmente tinha raízes de nativos americanos.

No primeiro momento, o resultado publicado pelo jornal "The Boston Globe" demonstrava provas sólidas de que houve um nativo americano na árvore genealógica de Elizabeth. Mas, horas mais tarde, o periódico reconheceu que houve um erro matemático ao calcular a herança genealógica de Warren e que, na realidade, ela tem entre 1/64 e 1/1.024 de origem nativa americana.

Essa passagem provocou as chacotas de Trump, que a chamou de "Pocahontas" várias vezes, e o aborrecimento da tribo indígena Nação Cherokee, que asseverou que o uso de um teste de DNA para demonstrar "qualquer conexão com origens de nativos americanos é inadequado e incorreto".

Em 2012, a legisladora disse que tinha raízes indígenas, mas a falta de provas a respeito e sua decisão de se identificar como nativa americana no diretório da Associação de Escolas de Direito dos EUA levaram Trump e outros conservadores a acusá-la de ter mentido sobre esse ponto para avançar na sua carreira.

O chefe da campanha eleitoral de Trump em relação com 2020, Brad Pascale, chamou Elizabeth de "fraude" e disse que sua campanha será desonesta. "Elizabeth já foi exposta como uma fraude por parte dos nativos americanos depois de se fazer passar por uma indígena e cometer uma falta de respeito para avançar na sua carreira profissional. O povo americano rejeitará sua campanha desonesta", disse em comunicado. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.