Universidade desiste de dar título honorário a pastor de Obama

Declarações de Wright têm complicado campanha do senador, que decidiu se distanciar de seu ex-guia

Efe,

02 de maio de 2008 | 01h23

A Universidade Northwestern de Illinois, que concederia o título honorário ao ex-pastor de Barack Obama, Jeremiah Wright, durante a cerimônia de fim de curso, anunciou nesta quinta-feira, 1, que retirou o convite feito ao reverendo. Wright durante décadas foi o mentor espiritual do pré-candidato democrata à Presidência dos EUA Barack Obama. Ele realizou o casamento do senador e batizou suas duas filhas. Há um mês o pastor atraiu a atenção quando foram divulgados alguns de seus sermões marcadamente racistas em favor dos afro-americanos. Até então, o corpo docente desta Universidade de Illinois, estado pelo qual Obama é senador, selecionou Wright para receber um título honorário coincidindo com a cerimônia de graduação no mês de junho. No entanto, segundo disse Alan Cubbage, vice-presidente do centro em comunicado, "à luz da controvérsia em torno do Doutor Wright e para assegurar que o caráter da celebração não se veja afetado, a Universidade retirou seu convite". Nos últimos dias, as declarações de Wright complicaram a campanha do senador Obama que, consciente dos renovados ataques dos republicanos, decidiu se distanciar de seu ex-guia espiritual. Jeremiah Wright se tornou uma figura polêmica depois da divulgação de vários de seus sermões pronunciados há alguns anos, nos quais dizia que os Estados Unidos tinham sido, em parte, culpados pelos atentados de 11 de setembro de 2001 por sua política internacional. Também chegou a sugerir que o Governo tinha inventado o vírus da aids para destruir a "gente de cor" e convidou os afro-americanos a entoar "Deus amaldiçoe a América", no lugar do tradicional "Deus abençoe a América", para denunciar o racismo ainda reinante no país. O senador Obama ressaltou que os comentários de Wright contradizem tudo o que ele é e pensa e mostrou sua "indignação" pela atitude e pelos comentários do pastor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.