Voto online e por correspondência pode decidir prévia nos EUA

Só na Califórnia, se calcula que mais de quatro milhões de pessoas votarão por correspondência

Efe,

05 de fevereiro de 2008 | 22h03

A votação por correspondência é cada vez mais popular nos Estados Unidos, mas muitos eleitores que adotaram esta opção para as prévias, disputadas nesta terça-feira, 5, em 24 Estados americanos, desperdiçaram seu voto em pré-candidatos que já desistiram do pleito. Há um mês, milhões de americanos enviaram suas cédulas para a votação desta terça, mas todos aqueles que escolheram o democrata John Edwards ou o republicano Rudolph Giulani, por exemplo, jogaram seus votos fora, já que ambos abandonaram a corrida eleitoral na semana passada. Dos 50 estados americanos, 31 permitem o voto por correspondência sem necessidade de apresentar nenhum atestado médico. Especialistas falam que, pela comodidade, esta opção é cada vez mais popular, apesar do risco de o eleitor mudar de idéia antes do dia das eleições ou de votar em alguém que desiste de concorrer. Esta tendência obrigou os candidatos a modificarem suas campanhas para levarem suas mensagens aos eleitores que votam por correio um mês antes do resto. Só na Califórnia, se calcula que mais de quatro milhões de pessoas votarão por correspondência nas primárias desta terça, quase metade do eleitorado do estado. Até alguns anos atrás, este tipo de votação era restrito a pessoas doentes ou aos americanos que residiam fora do país. Em 2008, os democratas dispõem de outra opção ainda mais cômoda do que o voto por correspondência: dezenas de milhares de eleitores residentes fora dos EUA poderão escolher seus candidatos pela internet, graças a uma iniciativa da organização Democrats Abroad. O grupo representa os eleitores do partido que vivem fora do território dos EUA e afirma que este é um sistema seguro, permitindo a participação de muitas pessoas que normalmente não poderiam votar. Pouquíssimos dos quase seis milhões de eleitores americanos que vivem fora dos Estados Unidos costumam participar das prévias. A empresa por trás do sistema de voto online nas primárias é a Everyone Counts, uma companhia da Califórnia com experiência em várias eleições no Reino Unido. Nesta terça-feira, a companhia enviou um código a cada um dos eleitores registrados previamente na página do Democrats Abroad, por meio do qual poderão escolher seus representantes. Os votos são codificados automaticamente pelo computador e, em uma semana, serão decodificados e contabilizados. Lori Steele, executiva-chefe da Everyone Counts, disse à agência Efe que o processo de votação online "está indo muito bem" e que a participação dos eleitores fora dos EUA aumentou graças ao novo sistema. "Até o momento, votaram sete vezes mais eleitores do que nas prévias de 2004, quando o voto pela internet ainda não era permitido", explicou Steele à Efe pouco depois das 12h45 locais na Califórnia (18h45 de Brasília).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.