Carolyn Kaster/AP
Carolyn Kaster/AP

Washington não vai mais ser empecilho, diz Trump sobre plano de infraestrutura

O documento publicado hoje pretende incentivar gastos da ordem de US$ 1,5 trilhão a US$ 1,7 trilhão nos próximos dez anos

Marcelo Osakabe, Estadao Conteudo

12 Fevereiro 2018 | 17h24

O governo federal "não será mais um empecilho ao progresso" nos Estados Unidos, declarou o presidente Donald Trump nesta segunda-feira, 12, durante uma reunião que marcou o lançamento de um plano para incrementar o financiamento e a modernização da infraestrutura no país.

"O problema de financiamento à infraestrutura nos EUA é horrendo", afirmou o republicano durante reunião com governadores, prefeitos e líderes locais. "Nossas estradas estão em condições ruins, mas vamos modernizá-las", exemplificou.

Segundo o presidente, o plano para elevar o dispêndio em infraestrutura nos EUA é o "maior e mais ambicioso" já concebido. A expectativa, segundo o documento publicado hoje, é incentivar gastos da ordem de US$ 1,5 trilhão a US$ 1,7 trilhão nos próximos dez anos, o que ajudaria a reverter "quase quinze anos de parcos investimentos no setor". "Estamos muito atrás de outros países", reclamou.

+++ Os principais pontos do discurso de Trump sobre o Estado da União

Publicados nesta segunda, os planos de Trump para a infraestrutura prevêem gastos diretos de US$ 200 bilhões em fundos federais ao longo desse período. Ele também pede mudanças no processo para acelerar o tempo de licenciamento, que passará de 10 para dois ou até um ano. Medidas para fortalecer a força de trabalho local também são contempladas.

+++ Donald Trump discursa em Congresso dividido sobre ações russas

No discurso, o republicano também afirmou que a área militar receberá novos investimento para "incrementar e modernizar o arsenal". "Teremos uma força nuclear totalmente nova, uma vez que os outros (países) estão correndo atrás disso também", disse. "Espero que eles parem (com a corrida armamentista). Se eles fizerem isso, nós também pararemos", acrescentou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.