Abaixo-assinado denuncia fraude eleitoral em região russa

Dezenas de milhares dehabitantes da República da Ingushétia (sul da Rússia) jáaderiram a um abaixo-assinado que denuncia fraude na eleiçãoparlamentar de 2007, num raro desafio ao governo do país, disseum organizador do protesto na quarta-feira. Em dezembro, as autoridades disseram que 99 por cento doseleitores compareceram às urnas da turbulenta Ingushétia ederam apoio quase unânime ao partido Rússia Unida, dopresidente Vladimir Putin, fato que Madomed Evloev, organizadordo abaixo-assinado, refuta. Evloev, ex-dono de um site crítico ao líder regional MaratZyazikov, nomeado pelo Kremlin, disse ter angariado 88 milassinaturas de pessoas que afirmam não terem votado, numuniverso de 450 mil habitantes. "Cerca de 6 por cento (da população) votou nas eleições daDuma, e a maioria votou no Yabloko (partido oposicionistaliberal)", disse Evloev à Reuters. As autoridades ingushes afirmam desde o começo que avotação foi legítima. Evloev negou ter motivações partidárias. "Queremos viverpacificamente, sem esquadrões da morte operando na república,sem pessoas sendo sequestradas e assassinadas", afirmou. "Se as autoridades não prestarem atenção a essasexigências, o resultado será ruim. Os jovens vão seradicalizar. Neste momento, a maior resistência na Chechênia éde (combatentes) ingushes", disse Evloev. A Ingushétia faz fronteira com a república separatista daChechênia, e ambas as regiões têm população com maioriamuçulmana. Ainda há combates na Chechênia, enquanto na Ingushétia e noDaguestão a situação de segurança piorou. Praticamente não háum só dia sem tiroteio, atentado, operação policial,assassinato ou sequestro. Outras repúblicas do norte do Cáucaso também anunciaramgrande comparecimento às urnas em dezembro, sempre com vitóriado Rússia Unida, que em todo o país obteve 64 por cento dosvotos. Sites e blogueiros russos dizem que a polícia intimidou osorganizadores e signatários do abaixo-assinado na Ingushétia. Evloev e seus seguidores enviaram a petição aoprocurador-geral russo, em Moscou, pedindo a ele que anule oresultado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.