Acusado por ataques frustrados no Reino Unido irá a tribunal

Sabeel Ahmed, de 26 anos, deve ir à Corte em agosto; médico é o terceiro envolvido nos atentados

Efe,

16 Julho 2007 | 12h24

O médico Sabeel Ahmed, acusado na semana passada de estar envolvido nos atentados fracassados de Londres e Glasgow (Escócia), deverá comparecer outra vez perante um tribunal em 13 de agosto, informaram nesta segunda, 16, fontes judiciais.   Ahmed, de 26 anos, esteve nesta segunda no tribunal da City de Westminster para confirmar seu nome, data de nascimento e domicílio, em uma audiência que durou dez minutos. O médico, terceiro envolvido nos ataques fracassados de junho, foi formalmente acusado no último sábado.   Ahmed foi preso em Liverpool, no norte da Inglaterra, em 30 de junho, e as forças de segurança consideram que tinha informação para levar "à detenção, ao julgamento e à condenação de alguém por um crime relacionado com a execução, preparação ou instigação de ato de terrorismo".   No dia 6, o iraquiano Bilal Abdulla foi acusado no Reino Unido de conspirar para causar explosões, e, no dia 15, a Polícia australiana denunciou o indiano Muhamed Haneef por oferecer apoio a uma organização terrorista.   No Reino Unido, outro médico, Mohammed Asha, permanece detido na delegacia de Paddington Green, em Londres, em relação com os atentados fracassados.   Kafeel Ahmed, é atendido sob custódia da Polícia em um hospital da Escócia pelas graves queimaduras sofridas quando jogou uma caminhonete em chamas contra o aeroporto de Glasgow.   Outros dois médicos presos no Reino Unido em conexão com os ataques foram libertados, assim como Marwah Dana Asha, de 27 anos, mulher de Mohammed Asha.   Em 29 de junho, dois carros-bomba foram desativados em pleno centro de Londres, e, no dia 30, dois homens jogaram um jipe carreado com bujões de gás - componente também presente nos veículos encontrados na capital britânica - contra o principal terminal do aeroporto de Glasgow.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.