Thomas Peter/Reuters
Thomas Peter/Reuters

Agência criará regras para aviões voarem com cinzas

Órgão de segurança aérea da ONU, contudo, afirmou que prazo para divulgação de padrões é longo

20 de abril de 2010 | 21h05

Associated Press

 

GENEBRA- A Organização de Aviação Internacional Civil (ICAO, na sigla em inglês) afirmou nesta terça-feira, 20, que irá começar a trabalhar para estabelecer padrões mundiais sobre a concentração das cinzas vulcânicas que afetam os motores de aviões.

 

Veja também:

linkEuropa deve operar 50% dos voos previstos para esta terça

blog Conte sua história sobre o caos nos aeroportos

linkSaiba quais são os direitos dos passageiros

linkMudança no tempo no empurrará nuvem ao Ártico

linkAumento da atividade do vulcão causa incerteza

mais imagens Veja imagens do vulcão Eyjafjallajoekull

 

Raymond Benjamin, secretário-geral da agência da ONU responsável pela segurança aérea, afirmou que o conselho governante da ICAO teve uma reunião especial nesta segunda, sobre padrões de cinzas.

 

Segundo Benjamin, o conselho decidiu formar um grupo de representantes da indústria, governos, cientistas e da Associação de Transporte Aéreo "para começar a trabalhar nesses padrões". Benjamin falou com jornalistas após ter se encontrado com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

 

A agência localizada em Montreal, no Canadá, tem 190 funcionários e opera nove estações ao redor do globo, que monitoram cinzas de vulcões como as do islandês Eyjafjallajokull, que entrou em erupção em 14 de abril, cancelando milhares de voos e instaurando o caos aéreo na Europa.

 

O presidente da ICAO, Roberto Kobeh Gonzales, afirmou que a informação das estações é enviada aos governos, que decidem se é seguro ou não permitir os voos.

 

"Os Estados são responsáveis pela segurança, seguindo os padrões da ICAO", disse Gonzales. "Nós temos padrões para o mínimo de visibilidade, mínimo de cobertura (de cinzas)... Não há padrões neste momento para qual a concentração de cinzas que pode afetar as turbinas", completou.

 

Gonzales também alertou que "não é fácil desenvolver um padrão" para o mínimo de cinzas que pode danificar os motores, porque "há muitas variáveis". "Se você perguntar a um fabricante de motores, 'qual a concentração de cinzas que seu motor aguenta?'", ele não irá responder porque isso varia".

 

Segundo Gonzales, essa variabilidade faz com que ninguém voe enquanto haja uma possibilidade de risco. O presidente da ICAO afirmou que ainda levará um tempo para que os padrões sejam divulgados. "Não é um trabalho de duas semanas", acrescentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.