Agentes de saúde espanhóis vaiam premiê em hospital onde paciente está internada com Ebola

Agentes de saúde espanhóis revoltados com a maneira como o governo está lidando com o surto de Ebola vaiaram o primeiro-ministro, Mariano Rajoy, e alvejaram seu carro com luvas cirúrgicas nesta sexta-feira em um hospital de Madri onde uma enfermeira infectada com o vírus está seriamente doente.

REUTERS

10 de outubro de 2014 | 18h25

Só aumentam as recriminações sobre o modo como a enfermeira Teresa Romero se tornou a primeira pessoa que contraiu o Ebola fora do oeste da África, região que concentra a maioria dos casos, mas Rajoy disse ser extremamente improvável que a doença – que já matou mais de 4 mil pessoas – se propague na Espanha.

Mais sete pessoas foram internadas em uma unidade de isolamento especializada no hospital madrilenho Carlos 3o na quinta-feira, elevando para 14 o número de pessoas em observação ou tratamento no local, incluindo o marido de Teresa.

Todas elas, que tiveram contato com Teresa, apresentaram-se voluntariamente, embora nenhuma tenha sido diagnosticada com a doença até agora.

“Nossa maior prioridade é Teresa Romero – ela é a única pessoa que sabemos ter a doença”, declarou Rajoy aos repórteres nas escadas do hospital.

Os ânimos estão exaltados em relação ao caso. Sindicatos acusam o governo de tentar desviar a culpa das falhas de seu sistema de saúde para a enfermeira. Os agentes de saúde que vêm protestando do lado de fora do hospital durante a semana assediaram Rajoy quando ele deixou a coletiva de imprensa.

(Por Sonya Dowsett)

Tudo o que sabemos sobre:
ESPANHAEBOLAVAIAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.