Agressor de Berlusconi tentou duas reuniões com ele, diz jornal

Segundo testemunha, Tartaglia disse que o premiê prometera resolver seus problemas com cartão de crédito

Efe,

18 de dezembro de 2009 | 09h32

 Ainda com curativos no rosto, primeiro-ministro deixa hospital. Foto: Gianpiero Sposito/Reuters

 MILÃO - O italiano Massimo Tartaglia, acusado de agredir o primeiro-ministro Silvio Berlusconi no último domingo, em Milão, tentou se reunir duas vezes com o chefe do Executivo em novembro passado, informa nesta sexta-feira, 18, o jornal "Corriere della Sera".O premiê italiano teve o nariz e dois dentes quebrados.

Veja também:

video Vídeo do Youtube mostra momento exato da agressão 

Segundo o testemunho de uma dirigente da equipe à polícia antiterrorista obtido pelo jornal, Tartaglia tentou fazer com que o premiê o recebesse nos escritórios do Milan, clube do qual Berlusconi é proprietário.

No depoimento, a mulher disse que, ao ver fotos e vídeos na imprensa do homem que agrediu Berlusconi, reconheceu-o como o mesmo que esteve duas vezes nos escritórios do clube dizendo que tinha uma reunião com o chefe do governo.

Segundo a testemunha, quando perguntado sobre o motivo do encontro com Berlusconi, Tartaglia, que tem 42 anos e há dez faz tratamento psiquiátrico, disse que o premiê havia prometido resolver seus problemas com um cartão de crédito.

Berlusconi foi atingido no rosto com uma miniatura da catedral da cidade, muita vendida para turistas como lembrança de viagem. O premiê deixou ontem o hospital e deve ficar 25 dias em repouso.

Tudo o que sabemos sobre:
BerlusconiTartagliaItália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.