Al-Qaeda diz ter sequestrado italianos na África, diz canal

Sequestro seria represália a 'crimes do governo da Itália no Afeganistão e no Iraque', segundo terroristas

Reuters,

29 de dezembro de 2009 | 02h06

Uma célula da rede Al-Qaeda no norte da África disse nesta segunda-feira, 28, que era responsável pelo sequestro de um casal italiano neste mês na Mauritânia, revelou a emissora Al Arabiya.

Salah Abu Mohamed, porta-voz da Al-Qaeda no Magreb Islâmico, disse em uma gravação datada de 27 de dezembro que a captura dos italianos estava ligada aos "crimes do governo italiano no Afeganistão e no Iraque", de acordo com a emissora.

O canal de televisão publicou em sua página na Internet uma fotografia do casal rodeado por homens armados.

O ministro de Relações Exteriores italiano, Franco Frattini, disse que a reivindicação da Al-Qaeda parecia "plausível" com base em relatórios da inteligência italiana e estrangeira. Ele disse que viajaria à Mauritânia em janeiro para pressionar pela libertação do casal.

A Itália afirmou que está usando todos os canais políticos e diplomáticos para garantir a libertação do casal, identificado como Sergio Cicala, de 65 anos, e Philomene Kabouree, de 39 anos, que é de Burkina Fasso e também tem nacionalidade italiana.

Tudo o que sabemos sobre:
ItáliaAl-Qaedasequestro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.