Albânia e Croácia tornam-se os mais novos membros da Otan

Países entregaram instrumentos de adesão à aliança, que agora terá 28 Estados; entrada já foi aprovada

Efe,

01 Abril 2009 | 17h30

Albânia e Croácia, por meio de seus respectivos embaixadores nos Estados Unidos, depositaram nesta quarta-feira, 1, no Departamento de Estado americano, os instrumentos de adesão à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e se tornaram oficialmente membros da entidade.

 

Em uma breve cerimônia em Washington, os embaixadores da Albânia, Aleksander Sallabanda, e da Croácia, Kolinda Grabar-Kitarovic, entregaram os documentos requeridos ao subsecretário de Estado dos EUA, James Steinberg, já que o país é o depositário do acordo que criou a Otan há 60 anos.

 

Com seus dois novos membros, a organização se expande rumo ao sudeste da Europa. Em comunicado, o Departamento de Estado dos EUA expressou sua satisfação pelo fato de que o processo de adesão se tenha completado antes da cúpula da Otan que começa nesta sexta-feira nas cidades de Estrasburgo (França) e Kehl (Alemanha) por ocasião do 60º aniversário da criação do organismo.

 

Nessa ocasião, o primeiro-ministro albanês, Sali Berisha, e seu colega croata, Ivo Sanader, representarão seus países pela primeira vez como membros da Otan. Sanader afirmou que a entrada da Croácia na Otan é o ponto mais alto de um objetivo "almejado" durante 20 anos.

 

"Se a Croácia estivesse na Otan em 1990 e 1991, a agressão não teria ocorrido", disse o primeiro-ministro croata em referência à guerra com a Sérvia. O ato em Washington ocorreu depois de o secretário-geral da Otan, Jaap de Hoop Scheffer, ter convidado formalmente a Albânia para integrar a organização na terça-feira.

 

O chefe da Otan confirmou que os 26 países-membros do órgão apresentaram o instrumento de ratificação dos protocolos para a adesão da Albânia. A entrada dos dois países europeus esteve por um fio até o último momento devido a uma disputa territorial entre Eslovênia - membro da Otan - e Croácia.

 

Em fevereiro, o Parlamento esloveno permitiu que um partido minoritário iniciasse o recolhimento de assinaturas para convocar um plebiscito nacional contra a entrada da Croácia na Otan.

 

Mas no final, o "Partido do Povo Esloveno" só conseguiu 1.087 assinaturas das 40 mil necessárias para a convocação de um plebiscito, e as autoridades eslovenas assinaram em 27 de março a lei que deu sinal verde para a entrada da Croácia na Otan, que agora passa a contar com 28 países-membros.

Mais conteúdo sobre:
OtanAlbâniaCroácia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.