EFE/David Armengou
EFE/David Armengou

Alemã ferida em Barcelona morre e sobe para 16 o número de vítimas de atentado

Mulher de 51 anos, que estava na UTI em hospital catalão, não resistiu aos ferimentos

O Estado de S.Paulo

27 Agosto 2017 | 08h25

BARCELONA - Uma mulher alemã de 51 anos, que ficou gravemente ferida durante o atentado terrorista em Las Ramblas, em Barcelona, no último dia 17 de agosto, morreu neste domingo, 27, na capital catalã, segundo confirmaram fontes oficiais. 

"Nesta manhã, aconteceu a morte de uma mulher de 51 anos, de nacionalidade alemã, que estava em estado crítico na UTI do Hospital del Mar de Barcelona", informou a Proteção Civil, em comunicado. 

Com a morte deste mulher, se eleva a 16 o número de vítimas fatais dos ataques em Las Ramblas e Cambrils, na Catalunha, reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI). Ao todo, 120 pessoas de 35 nacionalidades diferentes ficaram feridas nesses atentados. O Departamento de Saúde catalão informou que 24 vítimas ainda estão hospitalizadas, cinco delas em estado crítico. 

Dos 16 mortos, seis eram de nacionalidade espanhola, sendo uma com registro argentino e espanhol, três cidadãos italianos, dois portugueses, um belga, um americano, um canadense, um australiano e britânico e um alemão. 

No primeiro atentado, um jovem marroquino dirigiu um furgão contra transeuntes em Las Ramblas, um dos principais pontos turísticos de Barcelona, matando 14 pessoas. Em sua fuga, o motorista ainda esfaqueou um outro indivíduo, somando 15 mortes. 

Horas depois, na madrugada de 18 de agosto, cinco terroristas tentaram outro atropelamento em massa em Cambrils, vitimando uma mulher antes de serem abatidos pela polícia. 

O grupo havia sido aparentemente doutrinado por um imã em Ripoll, uma pequena localidade catalã no pé dos Pirineus, onde cresceram quase todos os integrantes do grupo. O imã morreu junto a outro membro da célula, quando explodiram acidentalmente as bombas que estavam preparando em sua base, onde planejaram, conforme indicaram as investigações, planejavam atentados ainda mais graves contra grandes monumentos.

Sob o lema "Não tenho medo", milhares de pessoas, entre elas o rei Felipe da Espanha, se manifestaram neste sábado, 26, em Barcelona em repúdio à violência após os atentados terroristas que deixaram 15 mortos há nove dias./ EFE E AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.