Alemanha considera medidas para Grécia crescer, diz ministro das Finanças

A Alemanha está disposta a considerar a adoção de medidas adicionais para promover o crescimento da Grécia, mas a cambaleante economia grega teria de prosseguir com as reformas pactuadas, disse o ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schaeuble, em entrevista à revista Welt am Sonntag, divulgada nesta sábado.

REUTERS

12 Maio 2012 | 12h19

"Se os gregos têm ideia do que poderíamos fazer a mais para promover o crescimento, nós sempre podemos conversar e pensar sobre isso" afirmou Schaeuble, segundo a publicação. "Mas, no final, trata-se de tornar a Grécia competitiva novamente, permitindo que a economia cresça e abrindo caminho de novo para os mercados financeiros".

"Isso requer que as reformas fundamentais, pactuadas, sejam realizadas, do contrário o país não tem perspectivas."

Na sexta-feira, a Alemanha informou que apoiava um "pacto de crescimento" europeu, num esforço para conter as críticas de que sua insistência na austeridade agravou a crise da dívida grega.

Mas as autoridades alemãs também disseram à Grécia que a permanência na zona do euro é sua única opção e que o país não pode deixar a austeridade de lado se pretende obter recursos internacionais.

"Posso entender bem os gregos… eles estão sofrendo muito. Não há caminho confortável para a Grécia", declarou o ministro. "Não há solução melhor. A Grécia tem de mostrar agora se tem o poder para obter as maiorias necessárias para isso."

TURBULÊNCIA

A Grécia mergulhou em um período turbulento depois que a extrema esquerda e a extrema direita obtiveram bons resultados na eleição geral, na qual os partidos até então dominantes - e que apóiam o doloroso pacote de resgate da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional -perderam a maioria no Parlamento.

Mas a Alemanha, principal contribuinte da zona do euro, e a Comissão Europeia têm repetidamente insistido que a Grécia tem de prosseguir com os aumentos de impostos e cortes de despesas públicas se quiser continuar a receber recursos, como parte do pacote de ajuda de 130 bilhões de euros.

Schaeuble afirmou que a Alemanha não quer que a Grécia deixe a zona do euro, mas também não poderia forçar o país a permanecer no bloco monetário.

"Claro que não queremos que a Grécia saia. Isso está muito claro e é algo inequívoco. Mas nós seríamos um governo estranho se não estivéssemos no preparando para todos os cenários imagináveis, para então estarmos aptos a conduzi-lo, incluindo situações que não seriam fáceis para a Europa."

Mais conteúdo sobre:
ALEMANHA MINISTRO FINANCAS GRECIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.