Alemanha diz que Europa está preocupada com situação no Paraguai

Alemanha diz que Europa está preocupada com situação no Paraguai

Franco foi empossado depois que o Congresso votou pelo impeachment do presidente Lugo

REUTERS

25 de junho de 2012 | 10h37

BERLIM - A Alemanha e seus parceiros da União Europeia estão observando os acontecimentos no Paraguai com preocupação, afirmou o governo alemão nesta segunda-feira, após o impeachment do presidente Fernando Lugo que provocou fortes protestos por parte de governos de esquerda sul-americanos.

Veja também:

linkParaguai rejeita exclusão de blocos regionais

linkNovo diretor paraguaio de Itaipu vai enviar mensagem a Dilma

linkLugo se reúne com ex-ministros para definir rumo da oposição paraguaia

A posição do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha contradiz as palavras de um ministro alemão em visita ao Paraguai, que aparentemente deu apoio ao novo governo de Federico Franco ao afirmar que a mudança de regime tinha respeitado a Constituição.

O porta-voz do ministério das Relações Exteriores alemão Andreas Peschke disse a jornalistas em Berlim que os comentários do Ministro do Desenvolvimento Internacional, Dirk Niebel, após uma reunião com Franco em Assunção, foram baseados apenas em sua "primeira impressão".

"Está bastante claro que não apenas o governo alemão, mas também toda a União Europeia, estão atualmente preocupados com os acontecimentos políticos no Paraguai", disse Peschke.

Franco foi empossado na última sexta-feira depois que o Congresso votou pelo impeachment do presidente Fernando Lugo, dizendo que o ex-bispo católico havia falhado no seu dever de manter a estabilidade social.

Líderes de esquerda na Argentina, Venezuela, Bolívia e Equador se recusaram a reconhecer o novo governo e ameaçaram sanções contra o Paraguai, um dos países mais pobres da América do Sul com uma histórico de instabilidade política.

O Brasil chamou o embaixador em Assunção de volta para consultas e uma alta fonte do governo brasileiro disse que há um consenso para aplicar sanções ao Paraguai e "transformar este novo governo em um pária".

Uruguai, Colômbia e Chile também chamaram seus embaixadores para consultas, mostrando seu descontentamento pela queda de Lugo.

O ex-vice-presidente Franco, cujo Partido Liberal rompeu com Lugo abrindo o caminho para o afastamento do então presidente, defende que a mudança de liderança foi realizada em consonância com a Constituição do Paraguai.

"Em nossa opinião e na de nossos parceiros é importante em um momento tão delicado, quando tudo ainda está em andamento, chegar a uma solução permanente e sustentável para os problemas políticos internos no Paraguai", disse Peschke em Berlim. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.