Alemanha fecha outro colégio por ameaça de massacre

Autoridades alertam para plano contra escola; polícia frustrou ataque a outra instituição na sexta-feira

Efe,

20 de novembro de 2007 | 09h54

As autoridades alemãs ordenaram nesta terça-feira, 20, o fechamento preventivo de um colégio na localidade de Kaarst, no oeste do país, devido ao temor de um possível massacre. O alarme ocorre pouco depois de ter sido registrado, em Colônia, uma ameaça em outro instituto, onde dois jovens de 17 e 18 anos tinham planejado um ataque. A polícia alemã anunciou na noite de domingo, que dois alunos do colégio Georg Büchner Gymnasium, em Colônia, planejavam cometer o massacre nesta terça, coincidindo com o aniversário do tiroteio na cidade de Emsdetten, que deixou 37 alunos e professores feridos.  Um porta-voz policial reconheceu nesta terça em declarações televisionadas que "contamos com indícios vagos sobre uma ameaça em Kaarst, com muito poucos dados concretos", procedentes da Finlândia, cuja polícia alertou à alemã, após detectarem em um fórum da internet uma conversa de chat suspeita. Os dois jovens responsáveis pela ameaça em Colônia abandonaram seus planos para o ataque desta terça em Colônia, segundo revelou a Procuradoria de Colônia na segunda-feira, que ressaltou que antes da intervenção policial da sexta, para impedir o possível massacre, os alunos tinham desistido do plano. A polícia tinha sido advertida por outros estudantes do instituto Georg Büchner sobre páginas na internet colocadas pelos envolvidos anunciando seus planos. Por conta disso, dois agentes interrogaram o mais jovem na sexta-feira, na presença de um responsável da escola. O rapaz se comprometeu a retirar a página da internet, na qual tinham colocado imagens do massacre de 1999 na escola Columbine, onde dois estudantes mataram treze pessoas e depois se suicidaram. Um porta-voz policial negou informações da imprensa alemã afirmando que o rapaz se suicidou na sexta-feira porque teria se sentido intimidado. O jovem de 18 anos confessou que planejava com o amigo morto atacar e matar outros companheiros por se sentirem vítimas de suas zombarias. A polícia apreendeu com os jovens duas armas curtas que disparam projéteis de plástico, duas bestas com 16 flechas de metal e uma lista com os nomes de 17 alunos e professores do instituto de ensino. Além disso, apreendeu os computadores pessoais dos dois adolescentes, cujos discos rígidos serão analisados minuciosamente para conhecer os motivos do sangrento plano. No início de novembro, um estudante finlandês de 18 anos promoveu um massacre em um instituto de ensino médio no sul do país, onde matou seis colegas a tiros, a diretora do centro e uma enfermeira, e depois se suicidou.

Tudo o que sabemos sobre:
Alemanhatiroteio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.