Alemanha inicia processo para extraditar assassino canadense

A Alemanha deve dar nesta terça-feira o primeiro passo rumo à extradição de um canadense acusado de matar um estudante chinês no Canadá e de divulgar um vídeo com detalhes macabros, além de enviar partes do corpo para partidos políticos pelo correio.

ELISA ODDONE, REUTERS

05 de junho de 2012 | 09h45

O ator pornô Luka Rocco Magnotta, de 29 anos, foi preso na segunda-feira em um cyber café de Berlim. Ele é acusado de ter matado Jun Lin, de 32 anos, em maio, em Montreal.

"Hoje o homem será levado perante um juiz de instrução que irá confirmar sua detenção", disse Martin Steltner, porta-voz do Ministério Público de Berlim, à TV Reuters.

Alemanha e Canadá têm tratado de extradição, e, pelas regras da Interpol, o suspeito deve permanecer detido até que sua transferência de país seja decidida. Mas Steltner disse não haver previsão de data para a extradição.

"O processo judicial é muito complicado", afirmou.

Magnotta foi preso depois de ser reconhecido pelo dono do café onde estava, no bairro multicultural de Neukoelln, na zona sul da capital alemã. Ele estava lendo notícias sobre a caçada policial a si próprio. O fato de falar francês reforçou as suspeitas do proprietário.

A polícia francesa já havia recebido muitas denúncias sobre a presença de Magnotta na França, e alertou na segunda-feira as autoridades alemãs de que ele havia viajado a Berlim de ônibus.

Mais conteúdo sobre:
ALEMANHAEXTRADICAOCANADENSE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.