Alemanha não busca mandar na Europa, diz presidente

O presidente da Alemanha, Joachim Gauck, garantiu aos europeus que não precisam ter nada a temer sobre o papel dominante de Berlim no continente, e disse, nesta sexta-feira, que uma maior integração levaria a uma Alemanha mais europeia em vez de uma Europa forçada à imagem da Alemanha.

Reuters

22 de fevereiro de 2013 | 07h58

Em um discurso anunciado como a definição de suas visões sobre o continente, Gauck, um ex-pastor luterano e ativista dos direitos humanos do antigo leste comunista, exortou as pessoas a olharem para além da crise da zona do euro e as turbulências políticas, e verem a Europa como uma união de valores compartilhados.

"Preocupa-me quando o papel da Alemanha na Europa, aparentemente, provoca ceticismo e desconfiança em alguns países... Fiquei chocado com a rapidez com que as percepções podem deformar-se, como se a Alemanha de hoje tivesse uma longa tradição de política de poder alemão", disse Gauck.

"Mas garanto a todos os cidadãos dos países vizinhos, não vejo ninguém dentro da classe política alemã que queira impor um ditame alemão... Da minha própria profunda convicção, posso dizer: 'mais Europa não significa na Alemanha uma Europa alemã. Ao contrário, significa para nós uma Alemanha europeia".

O presidente na Alemanha detém pouco poder político, mas tem influência moral simbólica.

(Reportagem de Alexandra Hudson)

Tudo o que sabemos sobre:
ALEMANHAEUROPAMANDANTEPRESIDENTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.