Alemanha reabre inquérito sobre massacre nazista na França

A Alemanha investiga seis antigos membros da força nazista SS suspeitos de terem realizado um massacre durante a 2a Guerra Mundial na França, no qual 642 homens, mulheres e crianças foram trancados em celeiros e em uma igreja, que depois foram explodidos ou incendiados, disse um promotor na terça-feira.

REUTERS

06 de dezembro de 2011 | 15h53

O promotor público alemão Andreas Brendel disse ter reaberto um inquérito sobre o massacre de 1944 em Oradour-sur-Glane depois que surgiram novas evidências a partir dos arquivos mantidos pela polícia secreta da antiga Alemanha Oriental, a Stasi. Ele não forneceu detalhes.

Brendel disse que em 10 de junho de 1944 - quatro dias depois do desembarque do Dia D dos aliados que no final libertaria a França - moradores locais foram reunidos na praça do mercado. Os homens foram levados a celeiros e as mulheres e crianças, colocados na igreja.

"Sob a ordem do então comandante, foram jogadas granadas contra a igreja e os homens que estavam dentro dos celeiros foram mortos a tiros. Ao final, a igreja foi incendiada com as mulheres e as crianças dentro", afirmou Brendel à Reuters Television em uma entrevista.

O promotor, que trabalha na cidade alemã de Dortmund, não identificou os seis ex-soldados alemães, mas disse que em um processo anterior relacionado ao caso, que nunca chegou a um veredicto, todos negaram as acusações.

Embora alguns dos ex-soldados da SS, que agora estão na faixa dos 80 anos, sejam suspeitos de terem promovido diretamente a matança, outros estão sendo investigados como cúmplices no homicídio, por terem bloqueado as estradas ou reunido os moradores do vilarejo, afirmou ele.

Tudo o que sabemos sobre:
ALEMANHAMASSACRENAZISTA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.