Alemanha rejeita entrada de Ucrânia e Geórgia na Otan

Governo alemão diz que 'está fora de discussão' que os dois países recebam uma perspectiva de adesão

Efe,

02 de abril de 2008 | 17h09

A Alemanha continua rejeitando uma rápida ampliação da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) em direção a Ucrânia e Geórgia, disse nesta quarta-feira, 2, a chanceler alemã, Angela Merkel, em sua chegada a Bucareste, onde acontece entre esta quarta e sexta-feira, 4, a cúpula de chefes de Estado da Aliança. Merkel disse que "está fora de discussão que ambos os países recebam uma perspectiva de adesão", mas ressaltou que "ainda é cedo demais" para que as duas nações sejam admitidas no Plano de Ação para a adesão, considerado a ante-sala para a adesão à Aliança. Veja também:Não agiremos como crianças ofendidas, diz Rússia sobre OtanRússia diz que entrada da Ucrânia na Otan traria crise profundaBush promete pressionar por adesão de Ucrânia e Geórgia à Otan De qualquer forma, a chanceler alemã disse que "a porta está aberta" para essas duas ex-repúblicas soviéticas. O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, defendeu em Bucareste nesta quarta-feira a aproximação com ambos os países. "A posição do meu país está clara: a Otan deveria dar as boas-vindas a Ucrânia e Geórgia ao Plano de Ação", ressaltou Bush.  "A entrada na Otan deve permanecer aberta a todas as democracias européias que buscam isso e estejam dispostas a compartilhar as responsabilidades do que representa ser membro da Otan", acrescentou o presidente americano. A Rússia - que não é membro da organização - afirmou que uma aproximação da Aliança com essas repúblicas ex-soviéticas teria "duras conseqüências".  Quanto à integração de Albânia, Macedônia e Croácia na Organização, Merkel expressou sua esperança de poder convidar os três países a entrar na Aliança. Tudo indica que o convite da Croácia não causará problemas na Otan, enquanto o conflito sobre a denominação da Macedônia entre Atenas e Skopje poderia suspender, por enquanto, a entrada desse país e da Albânia. 

Tudo o que sabemos sobre:
AlemanhaOtanUcrâniaGeórgia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.