Alemanha tenta retomar diálogo com China após receber Dalai Lama

Merkel é a primeira chefe de Governo do país a receber o Dalai Lama de forma oficial

Efe,

24 de setembro de 2007 | 05h18

Um dia depois da chanceler alemã, Angela Merkel, receber em seu escritório o Dalai Lama, máxima autoridade tibetana no exílio, a ministra da Justiça, Brigitte Zypries, afirmou sua esperança de que o diálogo entre China e Alemanha se recomponha o mais cedo possível. Em declarações ao jornal Berliner Zeitung, a ministra confirma que as autoridades chinesas suspenderam um encontro entre juristas dos dois países. O governo chinês, que não reconhece a autoridade do Dalai Lama e defende seu isolamento internacional, tinha exigido que a Alemanha não permitisse a entrada no país do religioso, Prêmio Nobel da Paz, e que ele não fosse recebido por autoridade oficial alguma. No entanto, mantendo a sua política de trocar opiniões com líderes religiosos de todas as confissões, Angela Merkel se tornou neste domingo a primeira chefe de Governo da Alemanha a receber o Dalai Lama de forma oficial. "Espero que o diálogo entre Alemanha e China continue sendo uma história de sucessos e que seja alterado", disse a ministra da Justiça ao Berliner Zeitung. Ela comentou que tentará marcar uma nova data para o encontro de juristas. Porém, Zypries insistiu, da mesma forma que a própria Angela Merkel durante uma recente viagem oficial a Pequim, que "o respeito aos Direitos Humanos é e continua sendo tema de conversa quando se dialoga com a China".

Tudo o que sabemos sobre:
AlemanhaMerkelDalai LamaChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.