Alemanno veta atores dos EUA de festival em Roma, diz jornal

Novo prefeito impede estrelas de hollywood de irem à Festa do Cinema de Roma 'para incentivar produção local'

06 de maio de 2008 | 15h05

O novo prefeito de Roma, Gianni Alemanno, mais conhecido como o "duce de Roma" pela imprensa britânica, promete render boas histórias para os jornalistas da capital italiana. Após anunciar que derrubará a obra do arquiteto Richard Méier, que revestiu o monumento Ara Pacis junto ao rio Tiber, e prometer que limpará a cidade dos imigrantes ilegais, ciganos, prostitutas e mendigos, o novo prefeito vetou algumas estrelas do cinema hollywoodiano da Festa do Cinema de Roma, começando por George Clooney, Brad Pitt, Leonardo di Caprio e Nicole Kidman, segundo o jornal espanhol El País.   Veja também: Italiano morre após ataque de grupo neonazista em Verona Onda direitista causa preocupação entre brasileiros na Itália Direitista conquista a prefeitura de Roma   Alemanno tem idéias inovadoras para o glamouroso encontro dos artistas idealizado pelo seu antecessor, Walter Veltroni, a quem George Clooney apoiou e elogiou publicamente durante a campanha eleitoral nas eleições legislativas. Sob o slogan "menos estrelas, mais cinema italiano", o prefeito pós fascista quer tornar o festival uma promoção da produção nacional, e já anunciou sua intenção de suspender seu atual diretor, o ex-senador Goffredo Bettini, e entregar a tarefa a Pasquale Squitieri, produtor napolitano e marido de Claudia Cardinale, alegando que não se trata de um posto para um político - Squitieri foi candidato do Povo da Liberdade nas eleições de 1996.   "A festa não será abolida", declarou Alemanno depois de ganhar as eleições, "mas estará unida a produção nacional, e tenho uma idéia de ligá-la aos prêmios David di Donatello. Não deve ser uma passarela para as estrelas hollywoodianas, um território apenas de imagem". "Isso não interessa aos romanos, tampouco a nossa produção. A presença excessiva de estrelas não serve pra nada", avaliou o novo prefeito.   Segundo o jornal The Sunday Times, "os atores americanos que foram à Roma no último festival não serão convidados novamente por ordem de Alemanno, que os colocou em uma lista negra". As revistas Variety e Hollywood Reporter também repercutiram o veto, e o diário britânico aproveita para destacar o "passado colorista" de Alemanno, preso em 1981 por agredir uma estudante com um taco de beisebol, e condenado a oito meses de prisão por lançar um coquetel molotov contra a embaixada russa, apesar das duas acusações ter sido retiradas.   O novo prefeito indicou, porém, que escreverá uma carta para a embaixada dos Estados Unidos para explicar que "ninguém quer montar uma autarquia cinematográfica" em Roma.

Tudo o que sabemos sobre:
Gianni AlemannoItáliaHollywood

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.