Massimo Percossi/Efe
Massimo Percossi/Efe

Alívio marca volta de 1º grupo ao Brasil

Em Porto Alegre, turistas reveem parentes e relatam momentos de tensão após o naufrágio do navio de cruzeiro Costa Concórdia

Lucas Azevedo, de O Estado de S. Paulo,

15 de janeiro de 2012 | 23h48

PORTO ALEGRE - Os 11 brasileiros do Rio Grande do Sul que escaparam do naufrágio do navio de cruzeiro Costa Concordia desembarcaram na manhã de ontem em Porto Alegre afirmando que "imperícia e imprudência" foram as causas do incidente. Ainda assustados com os momentos de terror que passaram a bordo, eles acreditam que se a embarcação não tivesse se chocado contra rochas e encalhado, teria invadido a Ilha Giglio.

 

Veja também:

linkDona do navio diz que capitão fez mudança de percurso não autorizada

som Passageiros brasileiros do Costa Concordia já foram resgatados, confirma embaixador

som Passageiro do Costa Concordia diz que não tem medo e embarcaria em outro cruzeiro amanhã

link Costa Cruzeiros culpa comandante pelo naufrágio

linkPassageiro registra o pânico durante resgate

link 'Nos deram 50 euros e não deram informações' 

som 'Estadão ESPN': Ouça repórter que estava no navio

 

"Se não fossem essas pedras, possivelmente seria muito maior o desastre ", contou o advogado e professor universitário Luis Augusto Luz, de 47 anos. Ele viajava com sua noiva, sua mãe e sua irmã.

 

O advogado acredita na irresponsabilidade do comando do Costa Concordia, pois, segundo ele, o navio viajava perto demais da costa.

 

"Estávamos próximos às rochas e não havia um espaço prudente para o deslocamento da embarcação. [O NAVIO]Também acho que houve negligencia, porque, se alguém no comando tivesse olhado para fora, não bateríamos", disse.

 

Luz contou que, no momento do choque, estava em uma loja do navio. Faltou energia e as mercadorias caíram das prateleiras. "Todos perceberam que havia um problema. Então, o comando comunicou que seria um defeito no gerador e pediu para que todos se mantivessem calmos, quando, na verdade, tinha ocorrido a colisão."

 

Calmos, já que acabaram de ter sido informados pela tripulação que a sacudida teria ocorrido devido a um problema elétrico, após dez minutos, os turistas foram surpreendidos com ordens de deixar o navio imediatamente.

 

"Aí, houve outra falta de habilidade deles, porque os passageiros estavam confiando na informação anterior. Eis que, de uma hora para outra, simplesmente anunciaram que era para abandonar o navio. Evidentemente, o pânico foi total, em clima de Titanic."

 

Aguardando as instruções nos corredores do Costa Concordia, turistas equipados com coletes salva-vidas se aglomeraram na área de embarque nos botes salva-vidas. Nesse momento, a inclinação do navio já prejudicava os passageiros.

 

"Algumas pessoas estavam só com roupas íntimas." Os termômetros marcavam 8°C naquela noite, mas sensação térmica era de 0°C.

 

A salvo no bote, Luz e sua família chegaram em terra firme 3 minutos depois. Lá, o grupo foi recebido por socorristas e moradores.

 

"O governo italiano foi super atencioso, doando roupas e alimentos. Agora vamos esperar a empresa entrar em contato", disse Lúcia de Mattos Leon Machado, de 28 anos, mulher de Luz, à RBSTV, já em Porto Alegre.

 

Ela agora espera ser ressarcida pelo que deixou no navio.

 

Um primeiro grupo de gaúchos desembarcou em Porto Alegre por volta das 9h30 de ontem, vindo direto de Milão.

 

Aproximadamente uma hora depois, mais cinco brasileiros desembarcaram na capital gaúcha.

Tudo o que sabemos sobre:
naufrágioCosta Concórdia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.