Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Ameaça via chat fecha escola na Alemanha 2 dias após massacre

Mensagem na web alertava para 'ataque violento'; polícia suspeita que aviso de atirador pode ser falso

Reuters,

13 de março de 2009 | 06h22

A polícia isolou uma escola no sudoeste da Alemanha nesta sexta-feira, 13, depois de tomar conhecimento do anúncio, em uma sala de bate-papo da Internet, de que um ataque armado estava planejado para o local, apenas dois dias após o tiroteio em uma escola na região. Professores e alunos foram impedidos de entrar nesta manhã na escola em Ilsfed, perto da cidade de Heilbronn, disse uma porta-voz da polícia. Nada suspeito foi encontrado, e a polícia depois liberou a escola.

 

Veja também:

linkSobreviventes de massacre em escola alemã relatam episódio

linkMinistro alemão descarta endurecer porte de arma após ataque

linkAtirador alemão alertou sobre massacre na internet

link'Era arrogante, mas não agressivo', diz treinador

linkApós ataques, Europa apressa-se para restringir armas de fogo

video TVs exibem vídeo dos últimos momentos do atirador alemão

especialCronologia dos principais ataques contra escolas

 

Autoridades têm estado de alerta desde que um garoto de 17 anos matou a tiros 15 pessoas, muitas delas em sua ex-escola na cidade de Winnenden, sudoeste da Alemanha, na última quarta-feira. Autoridades afirmam que ainda não sabem o que motivou o adolescente Tim Kretschmer, que matou 12 pessoas na escola em que estudou e outras três durante a fuga e depois cometeu o suicídio. A polícia alemã informou ainda que o suposto aviso publicado na internet pelo jovem pode ser falso. "Uma investigação em seu computador apontou que a postagem no chat não foi feita do equipamento", afirmou o porta-voz da polícia Dieter Schneider. A autenticidade do diálogo também foi desmentida pela empresa que mantém o website nos EUA e é investigada com a ajuda da Interpol.

 

Informações divulgadas anteriormente afirmavam que, seis horas antes do incidente, Kretschmer havia alertado sobre o massacre em uma sala de bate-papo na internet. De acordo com as informações preliminares, Kretschmer teria dito: "Chega! Estou cansado desta vida inútil. É sempre a mesma coisa. Todos riem de mim. Estou falando sério. Tenho armas e vou à minha antiga escola. Preste atenção no que digo - amanhã você vai ouvir falar de mim. Lembre-se do nome do lugar: Winnenden". Bernd não teria acreditado nas afirmações, respondendo "LOL", acrônimo para a expressão "laugh out loud" - que, em tradução livre, significa "gargalhada".

 

Segundo a BBC, o site alemão onde a mensagem supostamente teria sido publicada foi temporariamente retirado do ar e, em seu lugar, foi colocada uma mensagem - aparentemente de autoria de seus donos - com a frase: "Nenhum massacre foi anunciado aqui". "Não sabemos exatamente o que as autoridades alegam ter encontrado no computador do atirador. Talvez ele tenha visitado o site, mas ele definitivamente não escreveu o aviso que foi divulgado pela imprensa, por que isso nunca existiu", diz a mensagem publicada no site.

 

Investigadores afirmaram que encontraram imagens pornográficas no computador de Kretschmer e videogames violentos. O jovem havia iniciado um tratamento psiquiátrico contra depressão em 2008, mas abandonou as sessões apenas três meses depois. A angústia e o abatimento que revelava então, segundo informaram familiares à polícia do Estado de Baden-Wurttemberg, tinham relações com o fim de um namoro. A clínica na qual Kretschmer havia iniciado o tratamento é a mesma na qual um funcionário foi assassinado quarta-feira. O consultório se situa a algumas centenas de metros da Albertville Realschule e foi o local para onde o jovem fugiu após deixar a escola.

 

A responsabilidade da família de Kretschmer também é um dos focos da investigação. Segundo Hans-Dieter Wagner, diretor de Polícia de Esslingen, há dúvidas sobre as circunstâncias que levaram o jovem a ter acesso à arma com a qual praticou os crimes. O pai do jovem, um empresário de Winnenden, era membro de um clube de tiro da cidade e possuía 18 armas, todas legalizadas, uma das quais a usada na quarta-feira.

 

(Com Andrei Netto, de O Estado de S. Paulo)

Tudo o que sabemos sobre:
Alemanhaameaçaescola

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.