América Latina pode ajudar a libertar reféns das Farc--França

O primeiro-ministro francês, FrançoisFillon, afirmou na quarta-feira que líderes latino-americanos,como os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e o venezuelanoHugo Chávez, são bem-vindos nos esforços para ajudar a libertarreféns sequestrados por guerrilheiros colombianos. Na terça-feira, as Forças Armadas Revolucionárias daColômbia (Farc) anunciaram que soltariam três reféns a Chávez,poucas semanas depois de Bogotá ter encerrado a participação dolíder venezuelano nas negociações sobre os reféns. Segundo Fillon, os acontecimentos recentes aumentam asesperanças sobre o destino da refém franco-colombiana IngridBetancourt, cativa desde 2002, quando fazia campanha àPresidência da Colômbia. "Claro que respeitamos a soberania de todos os países e ada Colômbia em especial", disse ele à rádio Europe 1. "Masafirmamos que todos aqueles que puderem participar e ajudar coma libertação de Ingrid Betancourt são bem-vindos -- opresidente Chávez, o presidente Lula, a presidente (argentina)Cristina Fernández de Kirchner." O presidente francês, Nicolas Sarkozy, vem pedindo aosgovernos latino-americanos para apoiar seus esforços para umacordo entre o presidente colombiano, Alvaro Uribe, e as Farcpara a troca de um grupo de reféns por centenas de rebeldesdetidos na Colômbia. Fillon disse que a França está aberta a receberguerrilheiros das Farc que forem soltos em uma troca. "O presidente Uribe indicou a mim que quer que a França osreceba. A França está disposta a fazer isso com outros paíseseuropeus e latino-americanos", declarou. O presidente Lula já expressou a Uribe a disposição doBrasil em colaborar no caso dos reféns. (Reportagem de Kerstin Gehmlich)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.