Amigo apresenta versão incocentando pais de Madeleine

Polícia investiga até crematório animal perto do resort; pai afirma que seqüestrador invadiu quarto

Agências internacionais,

21 de setembro de 2007 | 17h57

Após meses de especulação se os pais da garota Madeleine McCann tiveram a oportunidade de matá-la e esconder o corpo, uma fonte próxima ao casal se propôs a explicar o que aconteceu no dia 3 de maio, quando a britânica de três anos desapareceu.Veja também:  Pais de Madeleine aceitam se submeter a detector de mentiras Falhas no caso Madeleine Cronologia    Importantes detetives investigam o período de seis horas que ainda permanece sem esclarecimento. O intervalo entre às 14h29, quando uma fotografia foi tirada na piscina no clube e às 20h30, quando os pais da menina começaram a jantar no bar.   Uma fonte da polícia portuguesa afirma que os detalhes sobre como decorreu a tarde da mãe da garota, Kate, são o foco do inquérito. Kate foi apontada como principal suspeita pela morte da filha recentemente.   O amigo da família confirma que "Madeleine foi ao clube para crianças durante a tarde, após à foto ter sido tirada na piscina. Há provas escritas e testemunhas". Segundo a fonte, Madeleine estava lá enquanto Kate e Gerry jogavam tênis com o professor e outras testemunhas. A garota teria tomado chá às 17h30 com o pessoal do clube para crianças e seus teriam ido buscá-la às 18h.   "Após Kate e Gerry irem pra casa, colocaram as crianças na cama e foram direto para o jantar (...) Kate nunca esteve sozinha com Madeleine naquela tarde. Sempre havia alguma outra testemunha presente", afirmou a fonte, acrescentando que "esses detalhes foram todos apresentados aos detetives durante os interrogatórios, então eles sabem o que Kate e Gerry disseram que aconteceu naquele dia".   O depoimento veio logo após o dono do restaurante no resort onde a família estava afirmar que viu o casal tomando chá com sua filha.   Crematório   A polícia portuguesa estaria vasculhando um crematório animal a cerca de 50 quilômetros da Praia da Luz, onde fica o resort em que Madeleine desapareceu, afirmou o proprietário do crematório.   "Me perguntaram três vezes se eu sabia ou se havia falado com os pais da garota", disse Evert Handrik Hoos, dono do crematório. Os policiais andaram pela fornalha, segundo a agência Reuters.   As autoridades se negaram a comentar onde procuraram por Madeleine.   Álibi   Gerry McCann acredita que um seqüestrador se escondeu no quarto do hotel onde a criança dormia junto com seus irmãos gêmeos, quando ele foi ver os filhos, segundo pessoas próximas da família citadas pela imprensa britânica.   McCann, que insiste em sua inocência e a de sua esposa, Kate, no misterioso desaparecimento de sua filha em maio, acredita que o seqüestrador já estava no apartamento quando ele foi ver se Madeleine e seus irmãos estavam dormindo, informa nesta sexta o jornal britânico Evening Standard.   Os pais de Madeleine, considerados "suspeitos" pela Polícia portuguesa, estão convencidos - segundo o jornal - de que alguém observou Madeleine durante vários dias enquanto a família passava férias na Praia da Luz, no Algarve português.   Gerry McCann, que na noite do desaparecimento estava jantando com sua esposa e alguns amigos em um restaurante próximo, foi ver se seus filhos estavam dormidos às 21h05, e viu que as crianças estavam bem.   A porta do quarto estava aberta e, embora naquele momento não tenha achado nada estranho, hoje diz ter certeza de que ele havia fechado a mesma.   Gerry McCann disse aos amigos que está convencido de que o seqüestrador abriu o quarto e se escondeu no banheiro do quarto do casal quando ouviu seus passos, disseram pessoas próximas ao "Evening Standard".   A hipótese dos McCann e dos amigos britânicos que passavam férias com eles é que o seqüestrador entrou pelo pátio e depois saiu por uma janela carregando a menina.

Mais conteúdo sobre:
Madeleine McCann

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.