Amostra de DNA testada na Bélgica não é de Madeleine

Britânicos analisam amostra de sangue coletada em hotel; polícia trabalha com hipóstese de assassinato

BBC Brasil, BBC

08 de agosto de 2007 | 08h52

Cientistas britânicos vão analisar nesta quarta-feira, 8, as possíveis amostras de sangue encontradas no apartamento de onde a menina britânica Madeleine McCann desapareceu no início de maio.     Veja também:   Pedófilo suíço pode estar envolvido no caso Madeleine   Mais cedo, autoridades belgas divulgaram que amostras de DNA examinadas numa garrafa e num canudo supostamente utilizados por uma menina identificada por testemunhas como sendo a menina não eram de Madeleine.   O material coletado no quarto dos pais da menina chegou ao Reino Unido depois de ser coletado pela polícia portuguesa durante novas buscas realizadas na semana passada usando um cão farejador.   Os jornais portugueses noticiaram na terça-feira que, com a nova pista, cresce a suspeita de que a criança, de 4 anos, teria sido morta no apartamento em que estava hospedada com os pais, na Praia da Luz, em Portugal.   Se for confirmada a presença de sangue, serão realizados testes de DNA.   O teste realizado na Bélgica foi posto em prática depois que um casal disse ter visto a menina num restaurante na cidade de Tongeren, na Bélgica.   Em um comunicado, os promotores ponderaram que os resultados "não excluem a presença de Madeleine".   "O homem que a estaria acompanhando pode ter bebido na garrafa", afirmam os investigadores no comunicado, que agora devem examinar pistas do casal que estavam com uma menina que parecia Madeleine no local.   Em entrevista na terça-feira, os pais de Madeleine, Kate e Gerry McCann, disseram que não têm razões para pensar que a filha esteja morta.   "Não somos ingênuos, em inúmeras ocasiões a polícia portuguesa nos garantiu que eles estavam procurando por Madeleine viva e não morta", disse o pai da menina.   "E até agora eu desconheço qualquer informação que tenha mudado isso", disse ele.   Ele e a mulher disseram que realmente acreditam que a filha estava viva quando foi levada do apartamento.   Gerry disse que concorda que a polícia deve explorar todas as possibilidades nas investigações, mesmo que isso signifique investigar a própria família e amigos.   Nas últimas 48 horas, a polícia fez buscas em cerca de dez veículos, incluindo um carro alugado por Gerry e Kate McCann cinco semanas depois do desaparecimento da menina.   Kate McCann disse que a família tem um relacionamento excelente com a polícia portuguesa.   "Nós vamos continuar trabalhando com eles para conseguir o avanço pelo qual rezamos todos os dias", disse Gerry McCann. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.