Amsterdã pretende fechar bordéis e coffee shops no centro

Revitalização do centro da cidade pretende remover estabelecimentos que geram 'criminalidade'

Agência Estado e Associated Press,

06 de dezembro de 2008 | 11h36

Amsterdã anunciou planos neste sábado, 6, de fechar até metade dos famosos bordéis e coffee shops (cafés que vendem maconha) como parte de uma grande revitalização de seu centro histórico. A prefeitura da cidade afirma que quer tirar o crime organizado da região, e tem como alvo estabelecimentos que "geram criminalidade, incluindo casas de jogos, locais de prostituição e coffee shops".   "Com a redução e o zoneamento desses tipos de funções, conseguiremos lidar melhor com a infra-estrutura do crime", disse a prefeitura em comunicado. Ela acrescentou que também irá reduzir diversas atividades que vê como relacionadas à "decadência" do centro, como sex shops, mini-supermercados, casas de massagem e lojas de souvenirs.   A cidade disse que há um excesso de estabelecimentos desse tipo e acredita que alguns deles sejam usados para lavagem de dinheiro e tráfico de drogas e de pessoas para muitas das casas de prostituição da cidade.   De acordo com o plano anunciado neste sábado, Amsterdã vai gastar até US$ 51 milhões para levar hotéis, restaurantes, organizações culturais e butiques ao centro. A prefeitura também pretende construir estacionamentos subterrâneos para carros e bicicletas e pode usar parte dos prédios vagos para combater a escassez de moradia.

Tudo o que sabemos sobre:
Holanda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.