Anarquistas assumem carta-bomba na Itália, dizem fontes

Um grupo anarquista assumiu na sexta-feira a responsabilidade por uma carta-bomba que feriu horas antes o chefe de uma agência tributária italiana, disseram fontes policiais. O mesmo grupo já era suspeito de ter enviado uma carta-bomba remetida a um banqueiro na Alemanha, mas que foi interceptada na quarta-feira sem explodir.

STEVE SCHERER, REUTERS

09 de dezembro de 2011 | 20h04

A carta-bomba da sexta-feira explodiu na sede da Equitalia, órgão responsável pela cobrança de impostos atrasados e multas tributárias. Seu diretor-geral, Marco Cuccagna, perdeu parte de um dedo e sofreu uma lesão num olho, mas sua vida não corre risco.

Fontes policiais disseram que a bomba vinha acompanhada de um bilhete em nome da Federação Anarquista Italiana (FAI). As fontes disseram que um bilhete semelhante estava junto do pacote-bomba enviado a Josef Ackermann, executivo-chefe do Deutsche Bank.

A carta enviada a Ackermann falava em "três explosões contra bancos, banqueiros, pulgas e sanguessugas", segundo autoridades alemãs.

Há cerca de um ano, a FAI assumiu a autoria de pacotes-bombas enviados às embaixadas da Suíça e do Chile em Roma, que deixaram dois feridos. Em março deste ano, o mesmo grupo foi responsável por uma carta-bomba que feriu duas pessoas numa entidade nuclear suíça.

Em nota, o primeiro-ministro italiano, Mario Monti, disse que Cuccagna foi ferido ao cumprir seu "dever" de oferecer "uma função pública essencial ao funcionamento do Estado".

Tudo o que sabemos sobre:
ITALIAANARQUISTASCARTA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.