Alessandro Garofalo/Reuters
Alessandro Garofalo/Reuters

Após agressão em comício, médicos adiam alta de Berlusconi

Premiê italiano fratura nariz e perde dois dentes após ser agredido, mas passa bem e não deve ser operado

estadao.com.br,

14 de dezembro de 2009 | 09h43

O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, de 73 anos,  permanecerá internado no hospital San Raffaele, em Milão, até a terça-feira. Ele está internado desde a noite de domingo, 13, quando foi agredido com um golpe no rosto em um comício.

Veja também:

video Vídeo do Youtube mostra momento exato da agressão

O primeiro-ministro receberia alta hoje, mas os médicos decidiram mantê-lo em observação, e amanhã avaliarão novamente suas condições, informou o doutor Alberto Zangrillo, seu médico pessoal, que leu o boletim médico.

Berlusconi acordou com dor de cabeça e dores nos ferimentos. Ainda de acordo com o médico, o primeiro-ministro se alimenta com dificuldade.

O premiê fraturou o nariz, teve dois dentes quebrados e sofreu uma lesão nos lábios. Segundo os médicos, ele deve se recuperar em 20 dias e não há necessidade de cirurgia. O premiê passou bem a noite e pediu para ler os jornais.

O agressor foi identificado como Massimo Tartaglia, de 42 anos. De acordo com a polícia, o acusado sofre há dez anos de problemas mentais e tem antecedentes criminais. Ele golpeou Berlusconi com uma pequena réplica da catedral de Milão. O agressor foi preso em flagrante e indiciado por lesão corporal.

Berlusconi celebrava um comício em Milão e discutia com opositores que o chamavam de 'palhaço' e pediam sua renúncia antes de ser agredido.

Segundo Zangrillo, citado pelo jornal "Corriere della Sera", o premiê disse após o ataque: "Há um clima de ódio no país. Eu esperava que isso fosse acontecer".

No lado de fora do hospital, foi pendurada uma faixa desejando melhoras ao premiê com os dizeres 'Os verdadeiros italianos estão sempre com você", ao lado de uma bandeira do país.

Com informações da Efe e da Associated Press

Tudo o que sabemos sobre:
BerlusconiagressãoItália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.