Após pacto nuclear, EUA e Rússia celebram melhora de relações

Obama e Medvedev fecham acordo para reduzir em 1/3 arsenais atômicos dos dois países

estadão.com.br

26 de março de 2010 | 13h54

MOSCOU -  O Kremlin e a Casa Branca sinalizaram nesta sexta-feira , 26, uma melhora nas relações bilaterais entre Rússia e EUA após a assinatura do novo Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Start).

 

Veja também:

linkEUA e Rússia fecham novo acordo de redução de arsenais nucleares

link Obama vê novo começo com a Rússia

linkRússia e EUA querem conter proliferação nuclear, diz Hillary

 

Segundo o Kremlin, o pacto "eleva o nível" das relações estratégicas bilaterais entre os dois países, afirmou o Kremlin por meio de comunicado, segundo a agência AFP.

 

O presidente americano, Barack Obama, disse mais cedo na Casa Branca que espera um novo começo com os russos e que o estabelecimento deste novo relacionamento era uma das prioridades de sua política externa. 

 

"Os presidentes Barack Obama e Dmitri Medvedev estão de acordo que o novo tratado eleva o nível da cooperação russo-americana no desenvolvimento de laços estratégicos" entre as duas potências nucleares, diz o comunicado russo.

 

Obama e Medvedev conversaram por telefone na sexta e finalizaram os detalhes do novo Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Start, na sigla em inglês). O acordo deve ser assinado em Praga, na República Checa, no dia 8 de abril.

 

Segundo a porta-voz do Kremlin, Natália Timakova, os presidentes se "cumprimentaram mutuamente" pela cooperação. "Medvedev afirmou que o tratado reflete o equilíbrio no interesse dos dois países", acrescentou a representante do governo.

 

Obama, por sua vez, chamou o acordo de histórico e reiterou que ele significa "um novo começo da relação entre os dois países", que sempre conseguem avanços significativos "quando trabalham juntos".

 

Segundo a Casa Branca, o novo acordo impõe uma redução de 1/3 no arsenal nuclear dos dois países, que detêm 90% das armas atômicas mundiais. Haverá um limite de 1,5 mil ogivas e 800 plataformas de lançamento que podem ser mantidas por casa país. Além disso, Rússia e EUA poderão ter no máximo 700 mísseis intercontinentais e submarinos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.