Após renúncia, ex-ministro retira apoio ao premiê italiano

Saída do partido da coalizão governista pode prejudicar a estabilidade da administração de Romano Prodi

Agências internacionais,

17 de janeiro de 2008 | 11h03

O ministro da Justiça italiano, Clemente Mastella, confirmou sua renúncia nesta quinta-feira, 17, e anunciou que o seu partido deixará a coalizão do governo do primeiro-ministro Romani Prodi, indispensável para estabilidade da administração de centro-esquerda do país. Mastella renunciou na quarta-feira depois que ele e sua esposa foram envolvidos numa investigação por corrupção. Mastella, líder de um pequeno partido católico na coalizão de Prodi, se disse vítima de uma perseguição política. Seu partido Udeur tem três cadeiras no Senado, onde a maioria governista é de apenas dois senadores. Por isso, Prodi e seus aliados pediram a Mastella que não abandonassem o governo. Sem seus votos, o governo terá dificuldades em aprovar projetos no Parlamento.  O primeiro-ministro da Itália assumirá provisoriamente o Ministério da Justiça. O ex-ministro afirmou que o partido oferecerá apoio "externo" para a coalizão, mas que votará no Parlamento de acordo com os seus próprios princípios. A esposa de Mastella, Sandra Lonardo, dirige o Conselho da região em torno de Nápoles. Ela qualificou a investigação como "um episódio amargo que meu marido e eu estamos vivendo por nossa defesa dos valores católicos e dos princípios de moderação e tolerância contra o fanatismo e o extremismo".

Tudo o que sabemos sobre:
Itália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.