Assange discursa da sacada de embaixada e repreende os EUA

O fundador do site WikiLeaks, Julian Assange, usou a sacada do prédio da embaixada do Equador em Londres, neste domingo, para repreender os Estados Unidos por "ameaçar" a liberdade de expressão e fez um apelo ao presidente norte-americano, Barack Obama, para que ele dê fim ao que chamou de "caça às bruxas" contra o WikiLeaks.

Reuters

19 de agosto de 2012 | 14h07

Posicionado na varanda da embaixada, onde está hospedado a fim de evitar a prisão pela polícia britânica que deseja extraditá-lo à Suécia, Assange afirmou que os Estados Unidos estão arriscando desviar o mundo para uma era de opressão jornalística.

"Enquanto o WikiLeaks estiver sob ameaça, a liberdade de expressão e a saúde de todas as nossas sociedades também estarão", disse o fundador do site, vestindo gravata marrom e camisa azul.

"Eu peço ao presidente Obama para fazer a coisa certa: os Estados Unidos devem renunciar à sua caça às bruxas contra o WikiLeaks", afirmou durante um discurso de 10 minutos, o qual ele finalizou com dois polegares para cima para a imprensa mundial.

(Reportagem de Alessandra Prentice e Karolin Schaps)

Tudo o que sabemos sobre:
GRABRETANHAASSANGEFALASACADA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.