Associação internacional pede que governos indiquem rotas aéreas seguras

As companhias aéreas dependem que os governos digam quais as rotas seguras para não comprometer a segurança, afirmou a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) nesta sexta-feira, um dia após um avião da Malásia ser abatido enquanto sobrevoava a Ucrânia.

REUTERS

18 de julho de 2014 | 13h50

"Neste momento, é importante que sejamos bem claros: a segurança é a maior prioridade", disse o presidente-executivo da Iata, Tony Tyler, em um comunicado.

"Nenhuma companhia vai arriscar a segurança de seus passageiros, tripulação e aeronave para economizar combustível. As companhias dependem que governos e autoridades de controle de tráfego aéreo aconselhem quais espaços aéreos estão disponíveis para voo, e assim elas se planejam dentro desses limites."

(Reportagem de Tom Miles)

Tudo o que sabemos sobre:
UCRANIAIATAROTAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.