Ataque em Istambul tinha militares como alvo, diz TV

Os morteiros que feriram três pessoasna quinta-feira em Istambul tinham como alvo um quartel-generaldo Exército, disseram fontes de segurança citadas pela emissoralocal NTV. Quatro morteiros foram lançados de um cemitério.Funcionários de um órgão municipal próximo, inicialmenteidentificado como alvo, disseram ter ouvido três explosões,segundo a agência estatal de notícias Anatolian. Três dos morteiros caíram no próprio cemitério, e o quartoatingiu um caminhão de lixo parado ao lado do edifíciomunicipal, perto do quartel Selimiye, sede do Primeiro Exércitoturco, responsável pela vigilância das fronteiras do país comGrécia e Bulgária. Não havia confirmação imediata de que o quartel-general erao alvo do ataque, mas autoridades de segurança disseram queainda estão investigando. A polícia procura por duas pessoasque escaparam do local de motocicleta, disse a Anatolian. O incidente ocorre num momento de tensão política devido àmulta imposta ao partido governista AK por supostamentecontrariar o caráter laico da política turca. Havia apossibilidade de que o partido fosse extinto. Outro processo judicial, envolvendo militares da reservaacusados de tentar promover um golpe, também contribui com atensão. O primeiro-ministro Tayyip Erdogan representa no Parlamentoum distrito no lado asiático de Istambul, e tem uma casa nobairro de Uskudar, também do lado asiático, onde o ataqueocorreu. Na semana passada, duas bombas mataram 17 pessoas emIstambul. Em julho, três atiradores fizeram disparos contra oconsulado dos EUA na cidade, deixando seis mortos. Grupos radicais de esquerda, separatistas curdos e radicaisislâmicos costumam ser os responsáveis por atentados a bomba naTurquia. (Reportagem de Thomas Grove)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.