AFP PHOTO/Adrian Dennis
AFP PHOTO/Adrian Dennis

Ataque em Londres acirra campanha eleitoral e separa ainda mais os dois principais candidatos

Na próxima quinta-feira, ocorrem as eleições gerais no Reino Unido e os candidatos Theresa May e Jeremy Corbyn lideram as pesquisas de intenções de voto

Agência Estado

04 de junho de 2017 | 12h30

LONDRES - As eleições gerais no Reino Unido marcadas para a próxima quinta-feira ganharam novos contornos depois dos ataques terroristas em Londres na noite do último sábado, 3, separando ainda mais os dois principais concorrentes para o pleito. A maior parte dos partidos suspendeu a campanha hoje em respeito às vítimas, mas a primeira-ministra Theresa May veio a público se manifestar contra o atentado.

Apontada como líder na disputa eleitoral, May fez duras críticas ao Estado Islâmico, disse que o país tem sido muito tolerante com o extremismo, disse que é preciso combater o terrorismo, derrotar o inimigo e dar um "basta" na situação. Apesar de ter feito o pronunciamento como premiê, a oposição viu em suas palavras um viés eleitoral. O Partido Conservador de Theresa May promete ações muito mais duras em eventos como este do que o do Partido Trabalhista, de Jeremy Corbyn, citado nas pesquisas de intenção de voto como o segundo que será mais apontado nas urnas. Ao falar sobre a tolerância com o extremismo, a premiê deu uma indireta a seu principal rival na campanha. Depois do ataque de Manchester, alguns dias atrás, Corbyn avaliou que a atuação internacional do país em guerras acabou alimentando o terrorismo no quintal britânico.

A eleição estava prevista para ocorrer apenas em 2020, mas a decisão da primeira-ministra de antecipar o pleito tem como objetivo ganhar mais força e autoridades nas negociações da saída do Reino Unido da União Europeia, o chamado Brexit. A formalização do divórcio ocorreu no fim de março e deve durar pelo menos dois anos. Se a intenção era ganhar mais autoridade, a estratégia não deu certo, como apontaram alguns especialistas e órgãos de imprensa locais.

Aliás, logo após o ataque de Manchester, um levantamento realizado pelo YouGov apontou uma redução da diferença entre os dois primeiros candidatos, ainda que o Partido Conservador se mantenha à frente. Não se sabe ainda o impacto do novo atentado sobre os eleitores.

Em entrevista ao Broadcast na semana passada, o professor e pesquisador do Instituto Europeu, da London School of Economics and Political Science (LSE) Iain Begg, salientou que, apesar de tão pouco tempo para a votação, o cenário é ainda bastante incerto em relação ao tamanho do poder que o novo líder do Reino Unido terá. Ao que tudo indica, segundo ele, May sairá vitoriosa, mas pode contar com um apoio menor ao governo no Parlamento.

O grande tema entre os dois principais candidatos gira em torno de liderança. Corbyn é apontado como um "capitão" fraco e, nos últimos tempos, a figura que a premiê tentou imprimir de alguém com autoridade diminuiu, principalmente depois que voltou atrás em apenas quatro dias em relação a um manifesto do partido sobre a cobrança de cuidados pessoais a idosos.

O que Theresa May tentou fazer hoje foi optar por um discurso mais duro, atacando diretamente alguns praticamente do islamismo, por exemplo. Ela também informou que não iria mudar a data da eleição por causa dos atentados, o que foi apoiado por alguns chefes de Estado de outros países. "É hora de dar um basta", afirmou. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.