Ataque na Alemanha seria maior do que os de Londres e Madrid

Segundo autoridades britâncias, detidos pertenciam a uma célula do grupo militante 'União da Jihad Islâmica'

Agências internacionais,

05 de setembro de 2007 | 13h53

Os três suspeitos de preparar ataques terroristas na Alemanha presos na terça-feira, 4, planejavam matar um grande número de pessoas, provavelmente mais do que nos ataques de Londres e Madrid, disseram autoridades alemãs nesta quarta-feira, 5. Veja TambémFBI não vê ameaça aos EUA após prisões Em entrevista coletiva após o anúncio das prisões, nesta quarta, a procuradora federal alemã, Monika Harms, e o chefe da Polícia Federal, Jörg Ziercke, informaram ainda que os detidos pertenciam a uma célula do grupo militante "União da Jihad Islâmica". O objetivo dos acusados seria atacar alvos dos Estados Unidos na Alemanha. Segundo Monika, os homens - dois alemães e um turco - tinham material suficiente para fazer uma bomba com grande poder de destruição. Ela descreveu o plano como um "ataque simultâneo com bombas massivo", que utilizaria vários carros-bomba para matar um grande número de pessoas no meio da Alemanha. Ainda de acordo com ela, o ataque era iminente. Os homens, que estavam sendo investigados há meses, iriam misturar o material explosivo de forma a produzir uma bomba equivalente ao poder de 550 quilogramas de TNT. Segundo a promotora, a polícia resolveu realizar as prisões porque eles haviam começado a preparar os químicos e pretendiam mudar de esconderijo. Temendo um eventual desaparecimento dos suspeitos, os investigadores da polícia alemã e uma unidade de antiterrorismo entraram em ação, prendendo o grupo na cidade de Medebach-Oberschledorn, no estado de Rhine-Westphalia do Norte. Cerca de 40 prédios em vários estados alemães também foram vasculhados.  "Graças à cooperação das polícias local e federal durante vários meses, nós conseguimos descobrir e observar o planejamento e a preparação e, no final, evitar os poderosos ataques a bomba", disse Monika. Ainda segundo a procuradora, autoridades americanas também contribuíram com as investigações.  Locais dos ataques Monika informou que não poderia confirmar relatos de que os acusados tinham como objetivo atacar o aeroporto de Frankfurt e a base militar dos EUA em Ramstein, mas disse que eles estavam observando instalações como discotecas, bares e aeroportos. Ainda assim, segundo o site Spiegel Online, em conversas gravadas pelos investigadores, os supostos terroristas mencionaram Frankfurt e outros aeroportos como eventuais alvos. "Ainda não havia um plano concreto", disse um dos investigadores.  As prisões aconteceram um dia depois de a polícia dinamarquesa prender oito jovens muçulmanos que supostamente planejavam um ataque a bomba e que teriam ligações com a Al-Qaeda. A operação na Alemanha ocorre a menos de uma semana do sexto aniversário dos ataques às Torres Gêmeas em Nova York em 11 de setembro de 2001. Autoridades alemãs não afirmaram se há uma ligação entre os presos e o suposto plano na Dinamarca. Prisões Ziercke, por sua vez, informou que os homens foram presos na tarde de terça-feira em uma casa alugada na região de Sauerland, no oeste da Alemanha. Entre fevereiro e agosto de 2007, os homens acusados adquiriram 12 barris de uma solução de peróxido de hidrogênio utilizada para a fabricação de bombas. A Alemanha, que tem soldados no Afeganistão, está em um alto nível de alerta para ataques. O país teme um reaparecimento de grupos militantes islâmicos desde 2001, quando a cidade de Hamburgo foi usada como base para o planejamento dos ataques de 11 de setembro. No ano passado, dois homens de origem libanesa tentaram detonar bombas em dois trens na Alemanha, de acordo com autoridades do país. Promotores disseram que as bombas falharam por causa de um erro técnico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.