Ator francês Gérard Depardier chega à Rússia para receber passaporte

O astro do cinema francês Gérard Depardieu chegou à Rússia para receber seu passaporte russo após uma disputa em seu país natal sobre a tentativa de escapar de um novo imposto de 75 por cento, informou a mídia local neste sábado.

Reuters

05 de janeiro de 2013 | 13h56

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, concedeu na terça-feira a cidadania russa a Depardieu, uma figura popular na Rússia que se opôs publicamente ao novo imposto sobre milionários planejado pelo governo socialista francês.

Um porta-voz de Putin disse que o presidente vai se encontrar em particular com Depardieu em Sochi, um balneário no mar Negro, neste sábado.

"Não está descartado que durante esse encontro Depardieu receba o seu passaporte", disse o porta-voz Dmitry Peskov, segundo a agência de notícias local RIA.

A rádio Ekho Moskvy disse que tanto Putin, um ex-espião da KGB, como seu protegido primeiro-ministro, Dmitry Medvedev, estão em Sochi para as férias de fim de ano até o dia 9 de janeiro.

Depardieu já apareceu em diversos anúncios comerciais na Rússia, incluindo de um ketchup, e trabalhou lá em 2011 em um filme sobre o excêntrico monge russo Grigory Rasputin.

Depardieu, astro de filmes como "Cyrano de Bergerac" e "Green Card - Passaporte para o Amor" também foi uma das celebridades ocidentais convidadas em 2012 para comemorar o aniversário de Ramzan Kadyrov, o líder da Chechênia que é apoiado pelo governo russo.

A Rússia tem uma taxa fixa de imposto de 13 por cento, ante o imposto planejado de 75 por cento na França para os rendimentos superiores a 1 milhão de euros, defendido pelo presidente francês, François Hollande.

Depardieu comprou uma casa na Bélgica para estabelecer residência no país em protesto contra o novo imposto.

A proposta original de Hollande de introduzir o novo imposto foi derrubada pela Corte Constitucional em dezembro, mas o presidente prometeu manter a pressão pela nova taxa.

Desde o fim da Guerra Fria o governo russo costuma declarar apoio a ocidentais em desavença com seus governos como uma forma de rebater o que Putin diz ser críticas hipócritas do Ocidente ao tratamento dispensado pelo Kremlin a seus próprios cidadãos.

Um porta-voz de Depardieu em Paris não pôde ser localizado para comentar a informação sobre a viagem à Rússia.

(Reportagem de Gabriela Baczynska)

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIADEPARDIERPASSAPORTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.