Áustria faz apelo a Al Qaeda para que liberte reféns

O chanceler (primeiro-ministro) daÁustria, Alfred Gusenbauer, fez um apelo nesta sexta-feira aobraço da Al Qaeda no norte da África para que liberte doisturistas austríacos, mas disse não ter nenhuma intenção deceder às suas exigências. Em Argel, uma fonte do setor de segurança disse que a AlQaeda tinha exigido a libertação de 10 militantes presos,incluindo Amari Saifi, um chefe guerrilheiro que sequestrou 32turistas europeus por vários meses em 2003. Os três dias do ultimato dado pelo grupo, em uma mensagemcolocada num site islâmico, começaram a ser contados naquinta-feira. Cinco dos prisioneiros estão em prisões da Tunísia e osoutros cinco, incluindo Saif -- mais popularmente conhecidocomo Abderrazak el Para -- estão em custódia na Argélia, disseuma fonte do setor de segurança. Ao chegar a Bruxelas para o último dia de uma reunião decúpula da União Européia, Gusenbauer disse a repórteres: "Nossaprioridade é a saúde dos reféns. Por isso apelamos aossequestradores para libertá-los incondicionalmente". Ele disse que a Áustria está em contato com as autoridadesda região, mas acrescentou: "Não pretendemos atender àsexigências". Os sequestradores colocaram na Internet fotos dos turistas,que desapareceram no mês passado durante uma viagem pelaTunísia. Eles aparecem numa área desértica, vestidos comtúnicas e cercados por militantes armados com fuzis elançadores de granadas propelidas por foguetes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.