Austríaco passa a primeira noite após sentença 'aliviado'

Josef Fritzl é acompanhado por especialistas em penitenciária para prevenir uma tentativa de suicídio

Agências internacionais,

20 de março de 2009 | 08h59

O austríaco Josef Fritzl aguentou "bem" e com "certo alívio" sua primeira noite após a sentença à prisão perpétua por manter trancada e abusar sexualmente da filha durante 24 anos, informaram nesta sexta-feira, 20, as autoridades penitenciárias austríacas.

 

Veja também:

linkFritzl pega prisão perpétua na Áustria

linkVeja linha do tempo do caso de incesto na Áustria

mais imagens Imagens do local em que Fritzl prendeu a filha

video Vídeo: Veja imagens do julgamento

 

Os especialistas que atendem Fritzl como medida para prevenir um suicídio detectaram "um certo alívio" no condenado após o fim do processo, e observam que ele aceitou a condenação, disse à imprensa Erich Huber-Günsthofer, responsável da prisão de Sankt Pölten na qual, por enquanto, Fritzl está internado. Huber-Günsthofer disse que, nestes primeiros momentos após a condenação, Fritzl está sendo vigiado de forma mais estreita como medida cautelar, e ele conta o tempo todo com ajuda psicológica.

 

O responsável penitenciário falou pessoalmente com Fritzl e assegurou que, apesar de uma condenação assim sempre representar "uma carga", pôde ver certo alívio no acusado, depois que o julgamento terminou. Um júri popular formado por cinco mulheres e três homens determinou na quinta-feira, de forma unânime, que aposentado de 73 anos é culpado de todas as acusações, incluindo assassinato por omissão de auxílio, por isso foi condenado à prisão perpétua.

 

O veredicto chegou após um rápido julgamento de apenas quatro dias na Audiência Provincial de Sankt Pölten, ao oeste de Viena, que foi acompanhado ao vivo pela imprensa de todo o mundo. Fritzl, de 73 anos, passará, a princípio, toda a vida na prisão. Primeiro, em uma instituição para criminosos com problemas mentais, onde será submetido a tratamento, e, se evoluir favoravelmente, em uma penitenciária comum.

 

Por causa de sua idade, 73 anos, é improvável que Fritzl obtenha benefícios para deixar a prisão. Segundo Franz Cutka, porta-voz da corte, o austríaco teoricamente poderia, depois de passar 15 anos preso, ter sua liberdade condicional avaliada por três juízes. Não foi decidida a prisão psiquiátrica que abrigará Fritzl. Por enquanto, ele permanecerá detido em Viena.

 

Antes de o veredicto ser anunciado, o engenheiro aposentado fez um apelo ao júri. "Arrependo-me do fundo do meu coração pelo que fiz com minha família. Infelizmente, não posso mudar isso agora. Só sou capaz de tentar limitar o estrago que já foi feito", disse Fritzl. A promotoria rebateu: "Não deixe que ele os engane, como fez com Elisabeth há 24 anos". Em 1984, o austríaco prendeu sua filha de 18 anos no porão de sua casa. Ele disse a parentes que ela sumira porque tinha aderido a uma seita. Violentando-a em média uma vez a cada três dias, Fritzl teve sete filhos com a vítima. O caso foi descoberto no ano passado, quando ele levou uma das crianças - que nunca tinha visto a luz do dia - ao hospital, levantando suspeitas dos médicos.

Tudo o que sabemos sobre:
Áustriaincesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.